Dissertações de Mestrado

 

 

 

TURMA 2015

Aluno(a)

Orientador(a)

Título da dissertação

Resumo

Data da defesa

Adriana Lemos de Oliveira

Maria Elenita Menezes Nascimento

 

 

 

Adriana Monteiro da Silva

Karina e Silva Dias

 

 

 

Alcione Taveira Ribeiro

Neuza de Farias Araújo

CIDADANIA E EDUCAÇÃO:TURISMO E LAZER NO PROJETO PORTAS ABERTAS A CIDADANIA

Esta dissertação, intitulada Cidadania e Educação: turismo e lazer no projeto Portas Abertas à Cidadania visa analisar o projeto Portas Abertas à Cidadania sob a visão dos professores e o apresenta como uma prática do turismo cidadão, voltado à valorização do patrimônio público. Para tanto, faz-se uma análise dos conceitos de educação, lazer, fenômeno turístico, cidadania e patrimônio, mostrando a importância destes para a aprendizagem e enfatizando que projetos como o Portas Abertas à Cidadania constituem estruturas didáticas voltadas à construção da cidadania e à aprendizagem. Esse projeto pode ser considerado como uma nova prática educacional utilizando-se do turismo, do lazer e do gênero como meios para ensinar na prática, que tem como objetivo o desenvolvimento de valores, atitudes, competências e habilidades necessárias ao exercício de direitos e deveres na relação recíproca entre o cidadão e o Estado, o respeito entre meninos e meninas a partir de melhor entendimento da vida em sociedade. Caracteriza-se por sensibilizar os jovens que vivem em áreas de maior vulnerabilidade social, a respeito de patrimônio público, cidadania e fiscalidade, possibilitando que visualizem esses conceitos na prática. No eixo da educação transversal, utiliza-se o turismo como fenômeno social que proporciona conhecimento extraclasse e traz diferentes visões de mundo, fazendo com que o educando passe a observar a realidade sob um novo olhar. Neste sentido, os passeios turísticos aqui se referem aos momentos de lazer vivenciados durante o projeto Portas Abertas à Cidadania, rompendo com o cotidiano dos estudantes, apresentando conhecimentos, sentidos, interação com outros saberes e significados dos locais visitados, possibilitando a valorização da sua cidade, do patrimônio, e da sua cultura. Desta forma, é possível mostrar que não é apenas na escola que ocorre a educação, que a cidadania acontece na prática, e que programas de visitação turística aos monumentos da cidade de Brasília possibilitam a aproximação dos estudantes ao seu patrimônio, constituindo grandes possibilidades turísticas de aprendizagem e articulando diversos e diferentes espaços para garanti-la como construção coletiva, relacionando comunidade, espaço público e patrimônio.

Palavras-chave: Turismo. Turista cidadão. Turismo cultural. Lazer. Educação. Patrimônio. Gênero. Cidadania. Políticas públicas.

 29/11/2016

Alisson Silva Fernandes

Luiz Carlos Spiller Pena

 

 

 

Ana Paula da Silva Rebelo

Marutschka Martini Moesch

 

 

 

Ayako Oiwa

Neuza de Farias Araújo

 

 

 

Camila Luisa Mumbach da Silva

Marutschka Martini Moesch

 

 

 

Cléa Aguiar Leite

Neuza de Farias Araújo

 

 

 

Deniza Clarice Gurgel de Freitas

Luiz Carlos Spiller Pena

 

 

 

Dorcas Santos Cabral

Neuza de Farias Araújo

 

 

 

Fernanda Cristina Matos Parente

Marutschka Martini Moesch

 

 

 

Gabriel Ferreira Marchioli

Lana Magaly Pires

 

 

 

Iraci Nascimento de Castro

Neuza de Farias Araújo

 TURISMO E LAZER DO(A) IDOSO(A) NA CIDADE DE BRASÍLIA

COMO FORMA DE INCLUSÃO SOCIAL

Esta dissertação propõe conhecer e analisar o papel do turismo e sua relação com os(as) idosos(as) nos espaços de lazer e turismo em Brasília. A pesquisa foi conduzida com o objetivo geral de analisar como as práticas de turismo possibilitam aos(às) idosos(as) experiências para sua inclusão social na cidade de Brasília. O estudo ganha relevância e é justificado pelas mudanças e transformações que vêm ocorrendo na sociedade, as quais também modificam seus hábitos, pois a velhice deixou de ser uma etapa caracterizada pelo isolamento e solidão, e o lazer tornou-se uma alternativa para melhorar a qualidade de vida e sobretudo a saúde dessa população. Na perspectiva da metodologia, foi realizada uma pesquisa qualitativa com a utilização de pesquisa bibliográfica, técnicas de observação direta sistemática, análise documental e entrevistas com 25 idosos(as) nos locais turísticos tradicionais de Brasília. Para a análise dos dados coletados nas entrevistas, consideramos as seguintes categorias: Turismo, Lazer, Acolhimento, Inclusão Social, Gênero, e Brasília. A partir dessa análise, confirmamos nossa hipótese de que o turismo e o lazer possibilitam formas de inclusão social aos(às) idosos(as). Assim, concluímos que o turismo e o lazer são formas de interação e socialização, visto que a solidão nesses momentos passa a não existir, assim como as dores e as preocupações. Em relação a questões de gênero, a pesquisa apontou que a beleza da mulher idosa hoje pode ser percebida para além de características físicas, manifestando-se na satisfação com a realização profissional, na segurança afetiva e familiar, na possibilidade de escolha de como fazer uso de seu tempo e de sua liberdade, no equilíbrio e ponderação em suas ações, na postura de independência e autoestima elevada. Além disso, a pesquisa desvendou, também, a existência de contradição por parte dos entrevistados: reconheceram as dificuldades e apontaram expectativas não atendidas; mas, ao mesmo tempo, revelaram-se satisfeitos, podendo indicar para os amigos e familiares a cidade de Brasília como uma cidade acolhedora e também afirmaram que a relação com os habitantes foi satisfatória. A pesquisa mostrou que o conhecimento da opinião desses turistas pode constituir-se em uma importante ferramenta voltada ao setor turístico capaz de ajustar suas estratégias para atender às necessidades dessa crescente demanda.

 

Palavras-chave: Idoso. Turismo. Lazer. Acolhimento. Inclusão Social. Brasília. Gênero.

 17/11/2016

João Eduardo Sá Costa Moreira Brito

Mário Carlos Beni

 

 

 

Josely do Carmo de Almeida

Maria Elenita Menezes Nascimento

 

 

 

Josilene Barbara Ribeiro Campos

Marutschka Martini Moesch

 

 

 

Kezya Silva Coelho Lima

Donária Coelho Duarte

 

 

 

Ligia Alves da Silva

Maria Elenita Menezes Nascimento

 

 

 

Luciana Resende Borges

Biagio Maurio Avena

 

 

 

Maíra da Silva Cardoso Palmeira

Lana Magaly Pires

 

 

 

Nathalia Domingues Garay

André de Almeida Cunha

 

 

 

Paula Oliveira Gomes

André de Almeida Cunha

 

 

 

Ramon Figueira Gardin

Mozart Fazito Rezende Filho

 

 

 

Suely Ribeiro de Oliveira

Biagio Maurio Avena

 

 

 

Tatiana Modesto Pimentel

Neuza de Farias Araújo

 

 

 

Thalita Kalix Garcia Santana

Eloisa Pereira Barroso

 OS INVENTÁRIOS DO PATRIMÔNIO ALIMENTAR

BRASILEIRO: POSSIBILIDADES PARA O INCREMENTO DO TURISMO GASTRONÔMICO?

O aumento do número de programas de televisão, blogs e sites especializados demonstram um crescimento do interesse da população brasileira pela gastronomia. No entanto, o que se observa, numa análise rápida, é um movimento de homogeneização da alimentação baseado em padrões internacionais e pouca exploração do potencial gastronômico do país pelo turismo. Diante desse cenário, este trabalho analisa os processos de inventariação do Patrimônio Alimentar Brasileiro desenvolvidos pelo IPHAN, INPI e Slow Food, compara-os e analisa como eles são utilizados para o desenvolvimento políticas públicas de fomento do turismo gastronômico no país. Para isso, analisam-se também os projetos e ações voltados a esse segmento desenvolvidos pelos ministérios do Turismo, da Cultura e do Desenvolvimento Agrário. Como sustentação teórica, discute-se a importância da gastronomia como parte da cultura, memória e identidade de uma população, os processos de patrimonialização que se desenvolveram no último século, o papel do turismo nessa relação e as possibilidades para a democratização do patrimônio. Parte-se da metodologia da análise documental para examinar esses inventários e políticas públicas e compará-los. Dessa forma, é possível verificar nossa hipótese de que esses inventários não se comunicam e que, portanto, as ações de promoção do turismo gastronômico no Brasil ainda não os levam em conta.

Palavras-chave: Inventário; Turismo Gastronômico; Patrimônio Alimentar Brasileiro; Cultura

Alimentar.

06/12/2016

Thiago Junior Lima Carvalho

Neio Lúcio de Oliveira Campos

 

 

 

Vanessa Sousa de Oliveira

Neio Lúcio de Oliveira Campos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vitor João Ramos Alves

 

 

 

 

 

 

 

 

Everaldo Batista da Costa

 

 

 

 

 

 

 

 

PATRIMÔNIO NATURAL E TURISMO VOLUNTÁRIO:

ÉTICA DO CUIDADO NA RELAÇÃO SOCIEDADE-NATUREZA

O turismo, concebido pelo sistema capitalista vigente como uma mercadoria a ser consumida pelos turistas, ao associar-se ao voluntariado é visto ideologicamente como uma forma de proporcionar benefícios, por meio da viagem, tanto para as comunidades visitadas quanto para os próprios turistas. Quando direcionados à proteção do patrimônio natural, acredita-se ampliar esses benefícios para os ambientes sociais e naturais envolvidos. Assim, essa pesquisa propõe desvelar a fundamentação teórica para o entendimento da relação turismo e atividade voluntária na preservação do patrimônio natural, por meio do estudo de caso da Missão “Volunteer Vacations Onça-pintada”, realizada pela Agência Volunteer Vacations, em parceria com a ONG No Extinction – NEX, localizada no município de Corumbá de Goiás (GO). Por meio da pesquisa do tipo qualitativa, do método dialético histórico-materialista e das técnicas de triangulação de dados e análise de discurso, a pesquisa identificou a existência de uma pseudoconcreticidade embutida na prática da Missão “VV Onça-pintada”, avaliou a percepção dos turistas sobre a prática e aferiu a possibilidade de construção de uma relação Sociedade-Natureza e de uma Ética do Cuidado, a partir da conscientização do sujeito de ser/fazer parte integrante da natureza, senti-la como totalidade, consciente de que suas ações e reações interferem diretamente a si próprio e ao meio ao qual está inserido. Palavras-chave: Turismo; Voluntariado; Patrimônio Natural; Ética do Cuidado; Missão Volunteer Vacations Onça-pintada; ONG No Extinction.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

13/09/2016

 


 TURMA DE 2014

 

Aluno(a)

Orientador(a)

Título da dissertação

Resumo

Data da defesa

Adelaide Cristina Nascimento de Oliveira

Eloisa Pereira Barroso

O CCBB COMO ANFITRIÃO: UMA REFLEXÃO SOBRE O TURISMO E A HOSPITALIDADE A PARTIR DO DISCURSO PROFERIDO PELO CENTROCULTURAL BANCO DO BRASIL BRASÍLIA NO SITE E NO FACEBOOK 

Esta dissertação resulta de uma pesquisa de natureza qualitativa (descritiva e interpretativa) cujo objetivo é analisar como o discurso produzido nas mídias sociais transforma o Centro Cultural Banco do Brasil Brasília (CCBB) em um destino turístico a partir da categoria hospitalidade. O trabalho aborda a constituição do espaço no imaginário do visitante e a relação com seu principal mecenas, o Banco do Brasil, principal instituição financeira do País e pioneira na criação de centros culturais corporativos. Estuda também o sucesso e a consolidação do empreendimento cultural, bem como a estratégia do espaço de manter proeminência no cenário turístico da capital federal por meio da exibição de artes. O método utilizado é o da Análise do Discurso, com base no contexto das formações discursivas e no funcionamento da linguagem enquanto exercício do poder, como apregoa Foucault. As análises buscam os rastros de hospitalidade deixados no discurso proferido pelo CCBB Brasília no site e no Facebook. Das produções de texto online (posts) contidas nessas duas plataformas virtuais foram coletados os objetos de observação. Os resultados alcançados na pesquisa sugerem que o anfitrião exercita seu poder, ao mesmo tempo em que convida seu frequentador (turista, visitante) a torna-se, ele mesmo, no espaço do outro, um hospedador. Ao fazer-se mecenas de um destino turístico, a mais longeva instituição financeira do País, por meio da linguagem, corporaliza seu símbolo dentro da cultura, instituindo uma relação com o turista. 

Palavras-chave: Turismo. Hospitalidade. Discurso. CCBB. Internet.

04/07/2016

Adriano Teles de Menezes

Eloisa Pereira Barroso

 O MOSAICO SERTÃO VEREDAS-PERUAÇU: A RESSIGNIFICAÇÃO DE GRANDE SERTÃO: VEREDAS PELO TURISMO LITERÁRIO

O Mosaico Sertão Veredas-Peruaçu foi idealizado com o objetivo de reunir e valorizar as culturas das comunidades locais nas regiões norte e noroeste de Minas Gerais. Percebe-se em seu contexto cultural a apropriação da obra Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa, pelo turismo através das representações da cultura sertaneja e dos próprios elementos socioculturais constituintes do livro. Este processo de ressignificação do universo sertanejo e roseano acontece via gestores, visitados e visitantes e de um roteiro turístico proposto que corrobora para a aplicação do conceito de turismo literário nas ações ali desenvolvidas. Esta pesquisa parte do entendimento sobre a definição de lugar literário como proposto por David Herbert (2001), enfatizando o conceito de turismo literário de Magadán e Rivas (2012), e apresentando noções que caracterizam o leitor/turista e/ou turista/leitor, assim como as motivações que os levam a buscar tais destinos. Discute-se a abordagem cultural do turismo na contemporaneidade a fim de situar a modalidade de turismo literário como uma abordagem que se preocupa com o desenvolvimento social e com a valorização das comunidades locais, de suas tradições, costumes e modos de vida. A teorização embasa-se no entendimento do imaginário social proveniente das ações desenvolvidas no Mosaico, nas representações que surgem do processo de apropriação e na própria análise das narrativas dos agentes que compõem o lugar-objeto deste trabalho. As narrativas coletadas e interpretadas à luz da história oral permitem visualizar a aplicação da definição de turismo literário e apreender sobre as ressignificações e representações presentes no discurso e no imaginário dos entrevistados que ora corroboram para a manutenção de uma identidade social dos moradores locais e do próprio lugar enquanto destino turístico literário. Palavras-Chave: Turismo Literário; Grande Sertão: Veredas; Guimarães Rosa; Mosaico; Representações

06/07/2016 

 

 

 

 

 

Andréa Brito Theorga

José Aroudo Mota

OS OBSERVATÓRIOS DE TURISMO NO BRASIL 

Esta pesquisa tem o objetivo de analisar características de constituição, estudos e origens dos observatórios de turismo brasileiros com o intuito de saber em que medida as recomendações oficiais e os indicadores monitorados estão sendo seguidos pelos destinos turísticos. A busca por informações turísticas consolidadas, indicadores, resultados de desempenho, políticas e regionalidades sempre foi uma tarefa árdua para acadêmicos e pesquisadores, empresários e até para os próprios gestores públicos. Os observatórios de turismo surgem neste contexto como meios e ferramentas estratégicas de produção e divulgação do conhecimento, tanto para o estabelecimento de redes de apoio e discussão do turismo quanto para o desenvolvimento de competências e capacidades. No entanto, no Brasil, não há orientações para a sua constituição, e todas as iniciativas, ligadas em sua maioria a Secretarias Estaduais e Municipais do Turismo, são independentes. O problema desta pesquisa foi construído de maneira a saber se: os observatórios são importantes para o conhecimento e desenvolvimento turístico dos Destinos Indutores por que permanecem pouco valorizados no monitoramento e avaliação do setor? O universo desta pesquisa é representado por seis observatórios de turismo implantados e ativos no Brasil até fevereiro de 2016. O interesse em estudá-los originou-se da expectativa de estabelecer paralelos entre o alinhamento das pesquisas nacionais e as recomendações editadas pela Organização Mundial do Turismo para o monitoramento do turismo. O estudo destaca um panorama das iniciativas independentes dos observatórios, relacionando premissas, objetivos, características das pesquisas produzidas, facilidades e dificuldades encontradas pelos mesmos na articulação de parcerias e fortalecimento institucional. Palavras-chave: Observatórios de Turismo, Monitoramento e Avaliação, Destinos turísticos. 

 

18/05/2016 

Fernanda de Castro Hummel

Eloisa Pereira Barroso

TURISMO CRIATIVO: A EXPERIÊNCIA DO TURISMO DE GALPÃO EM PORTO ALEGRE 

A presente dissertação tem como objeto de estudo o turismo criativo, a partir da experiência do turismo de galpão, sendo este um subprograma do projeto de Turismo Criativo da cidade de Porto Alegre/RS, que foi a pioneira na implantação do Turismo Criativo no Brasil. O referido objeto foi explorado pelo viés dos estudos culturais, tendo como principais conceitos de análise o turismo criativo, turismo de galpão e o conceito de cultura em sua perspectiva antropológica. Por se tratar de uma pesquisa de campo, com a utilização da técnica de entrevistas, optamos pela metodologia da história oral, devido a riqueza de detalhes que ela pode proporcionar durante a obtenção dos dados empíricos. Identificou-se a importância dos depoimentos dos atores, principalmente os que estão relacionados diretamente aos projetos supracitados, visando conhecer os aspectos da tradicionalidade, da cultura local e da relação entre comunidade e turistas na experiência do Turismo de Galpão na cidade de Porto Alegre.

Palavras-chave: turismo, turismo criativo, cultura 

28/11/2016 

Francinete Pereira da Cruz

Luiz Carlos Spiller Pena

O LUGAR DO TURISMO NO PROGRAMA BRASIL QUILOMBOLA-PBQ:

A experiência Construída no Quilombo de Ivaporunduva no Vale do Ribeira-SP 

Esta dissertação tem como objetivo entender se o turismo de base comunitária em caso positivo constitui um vetor de inclusão social para as comunidades quilombolas do Brasil, se seria possível pensar a inclusão de ações de turismo no Programa Brasil Quilombola (PBQ). Para tanto, buscaremos identificar as transversalidades que existem entre as políticas públicas intermediadas pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e o Ministério do Turismo (MTur). Analisaremos essa questão a partir de um estudo de caso na comunidade quilombola de Ivaporunduva na região do Vale do Ribeira (SP). A primeira parte da pesquisa aprofunda a formação social e territorial em três períodos históricos: o período colonial; o período inaugurado com a Constituição Federal (CF) de 1988 e o período iniciado com a criação da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e o Programa Brasil Quilombola (PBQ). Em seguida, discutiremos conceitualmente o Turismo de Base Comunitária (TBC), e o novo conceito de “turismo étnico-cultural”, “tradução” local do TBC elaborada no Quilombo Ivaporunduva a partir da mobilização e do planejamento estratégico conduzido pela comunidade. Na sequência, analisaremos a replicação desse conceito em outras comunidades quilombolas vizinhas, com a criação do Circuito Quilombola do Vale do Ribeira. Demonstraremos que o sucesso do turismo nos territórios quilombolas repousa num longo processo de apropriação das atividades turísticas pela comunidade. São essas dimensões que precisam estar em dialogo em uma aproximação entre a SEPPIR e o MTur para identificar qual lugar o turismo pode de fato vir a ter no Programa Brasil Quilombola. Palavras chaves: Quilombo. Turismo de base comunitária. Políticas públicas. Inclusão social. 

 

 06/07/2016 

 

 

 

 

 

Jurema Camargo Monteiro

Helena Araújo Costa

 COCRIAÇÃO E EXPERIÊNCIAS TURÍSTICAS: UM ESTUDO EM CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE TURISMO DO BRASIL

Esta dissertação tem como objetivo analisar como a cocriação é aplicada por empresas de distribuição do turismo na comercialização de produtos e serviços que têm como finalidade proporcionar experiências ao turista. Cocriação é entendida neste estudo como a interação entre o consumidor e o produto e/ou serviço a ser adquirido em um processo que gere valor para os envolvidos. A pesquisa fundamentou-se teoricamente em uma discussão acerca do turismo e da cocriação, na perspectiva da economia de serviços e da experiência, da inovação e da tecnologia. Metodologicamente, o trabalho consiste em uma pesquisa exploratório-descritiva com abordagem qualitativa. Realizou-se um estudo de caso de caráter comparativo no qual foram combinadas uma pesquisa bibliográfica e um levantamento de campo com entrevistas semi-estruturadas junto a gestores de duas empresas de distribuição do setor de turismo, sendo uma operadora e uma agência de viagens. Os resultados permitiram identificar os elementos e passos da cocriação que, resumidamente, relacionam: a empresa, suas atividades e seus empregados, aos produtos e serviços oferecidos e aos processos de gestão. Verificou-se que a operadora apresenta-se como uma empresa de grande porte, atacadista, e em seu trabalho evidencia-se que a cocriação está relacionada à valorização da tecnologia. Sua visão de empresa está centrada no produto e mais relacionada à geração de maior valor de troca - preço. Já a agência de viagens é uma empresa de pequeno porte, varejista, que valoriza o diálogo com seu cliente, alinhando-se à visão de empresa centrada no consumidor, gerando maior valor de uso - experiência. Foi possível comparar a aplicação da cocriação por ambas as empresas: para a operadora a experiência do turismo está associada à alta intensidade de tecnologia, porém com baixa intensidade de cocriação; na agência a experiência está associada a alta intensidade de cocriação, com restrições quanto a intensidade de tecnologia. Pode-se concluir que a agência apresenta maior presença de cocriação frente à operadora.

Palavras Chaves:turismo, cocriação, experiência, distribuidoras de turismo.

19/02/2016

 

 

 

 

 

Magna Pereira da Silva

Everaldo Batista da Costa

 Feira Central de Ceilândia e Gastronomia Regional:

Patrimônios do Distrito Federal

A Feira Central de Ceilândia – FCC - nasceu junto com a cidade, Ceilândia, região administrativa de Brasília, é um reconhecido espaço dentro da cidade que se destaca por sua capacidade em atrair visitantes, tendo como seu maior atrativo uma gastronomia regional nordestina. Esta feira acompanhou todo o processo de formação de Ceilândia, cidade que se constituiu a partir de uma Campanha de Erradicação de Invasões – CEI, termo que se originou da Campanha de Erradicação de Favelas – CEF, nas décadas de 1960 e 1970, nas proximidades da recém-construída capital do país. Em meio tantas agruras vividas pelos moradores da cidade, a Feira Central de Ceilândia se constituiu um lugar de expressão da cultura nordestina por meio de sua gastronomia. Esta dissertação tem como objetivo analisar do ponto de vista histórico, cultural e social que a comida apresenta, tornando-se um referencial objeto de investigação, pois os pratos ofertados na referida feira favorecem a rememoração de tempos passados tornando possível identificarmos a FCC – Um lugar de memória – Patrimônio-territorial sujeita a constantes atividades turísticas e a Gastronomia Regional Nordestina um patrimônio imaterial. Palavras chaves: Feira Central de Ceilândia (FCC), gastronomia regional, Lugar de memória, patrimônio. 

 

Maressa Farias Rocha

Maria Elenita Menezes Nascimento

ESTUDO COMPARADO SOBRE A RELAÇÃO PÚBLICOPRIVADA DO TURISMO INTERNACIONAL DO BRASIL E AUSTRÁLIA 

O desenvolvimento de uma estratégia nacional de turismo harmoniosamente integrada com os diversos atores do sistema turístico, tornasse essencial para garantir o crescimento do setor e a efetividade das ações de promoção implementadas por um órgão nacional de turismo. Considerando a integração entre agentes públicos e privados, um fator que pode contribuir, para o fomento da promoção turística internacional do Brasil foi realizado um estudo comparado entre o Brasil e a Austrália, com o objetivo de analisar como é desenvolvida a integração entre agentes públicos e privados para o fomento da promoção turística internacional desses países. Foi adotada como metodologia o estudo exploratório-descritivo, tendo como análise situacional o governo australiano que desenvolveu sua estratégia de promoção, de forma a se tornar um país referência em turismo internacional. Como resultado do estudo, apresenta-se um conjunto de recomendações que se espera poder contribuir para a implementação de uma estratégia nacional de turismo, visando o fomento da promoção turística internacional do Brasil. Palavras-chave: Turismo. Promoção Turística Internacional. Integração Público-Privada. Gestão Estratégica. Turismo Austrália. 

04/07/2016 

Mariana Tomazin

Marutschka Martini Moesch

INCLUSÃO SOCIAL E POLÍTICAS PÚBLICAS:

DISTANCIAMENTO ENTRE TEORIA E PRÁTICA DO PROGRAMA DE REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO - ROTEIROS DO BRASIL. ESTUDO DE CASO: ARACATI E JIJOCA DE JERICOACOARA (CE). 

A presente dissertação tem como objetivo analisar os impactos sociais sobre a qualidade das políticas públicas no campo do turismo, tendo como indicador a inclusão social e como objeto de estudo o Programa de Regionalização do Turismo – Roteiros do Brasil do Ministério do Turismo, o qual foi implementado em 2004 e requer uma análise crítica após 10 anos de execução.  O método utilizado na investigação foi o materialismo histórico dialético, pois desvelar a essência do fenômeno estudado e não ficar na descrição restrita do mesmo, requer estabelecer as contradições entre teoria/prática, objetividade/subjetividade do processo histórico ocorrido. Para melhor desvelar a problematização proposta sobre quais foram, no processo histórico concreto dos territórios, os impactos sociais do PRT e se sua ação indutora contribuiu para a inclusão social ou limitou-se a uma política pública restrita aos interesses de mercado, adotou-se uma abordagem qualitativa, consistindo da construção do referencial teórico sobre as teorias sociais relacionadas geradoras de categorias operatórias como: desenvolvimento, inclusão social, cidadania, turismo, políticas públicas de turismo, regionalização, roteirização. No traçado metodológicoutilizou-se da análise documental (CELLARD, 2012) sobre o processo de regionalização do turismo, como ação indutora do Ministério do Turismo, entre os anos de 2004-2014, somado ao trabalho de campo com entrevistas e observação livre com o estudo de caso múltiplo de 02 destinos indutores - Aracati e Jijoca de Jericoacoara, localizados no Estado do Ceará, permitindo, assim, a construção de evidências referentes ao processo do tipo de desenvolvimento e dos impactos sociais da política pública expressa pelo PRT. O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal e o Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal serviram como indicadores sociais somados ao Índice de Competitividade do Turismo Nacional – 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional (FGV,MTUR,SEBRAE). As evidências possíveis pelo método do MHD permitiu observar o distanciamento existente entre teoria e prática do PRT, posto que a opção ideológica adotada pelo MTur em relação à concepção do turismo e de desenvolvimento pelo turismo delineia-se em uma ação fragmentada, na qual tanto a comunidade, quanto as instâncias de governança são pautadas pela  concepção  do mercado, o que impossibilitou  o impacto social emancipador da comunidade local pelo PRT, embora em seu plano abstrato formal a teoria se apresente como uma possibilidade. Palavras-chave: Inclusão social. Turismo. Políticas Públicas de Turismo. Programa de Regionalização do Turismo. Aracati (CE). Jijoca de Jericoacoara (CE). 

04/07/2016 

Natanry Fernanda Queiroz Dias Rosa

Marutschka Martini Moesch

 AS IMPLICAÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS E A CONCEPÇÃO DE TURISMO DE MASSA NA OBRA “SOCIOLOGIA DO TURISMO” DE JOST KRIPPENDORF

Essa dissertação tem como investigação a reprodução da concepção de consumo imposta pela indústria cultural no tempo de lazer em movimento, o que acarreta a expressão “turismo de massa”. O livro Sociologia do Turismo (1989) foi uma das primeiras obras na área do turismo com análises críticas, a partir de categorias dialéticas histórico-estrutural (Moesch, 2004); o autor faz críticas ao modelo econômico industrial estabelecido: Ter – consumir – Ser. Razão de sua escolha para analisar as implicações da categoria “consumo de massa” ao definir turismo de massa e sua determinação, na abordagem do turismo na obra de autoria de Jost Krippendorf. Utilizou-se a análise de conteúdo (AC) como procedimento de interpretação com intuito de compreender as inter-relações entre sujeito-objeto-consumo e as suas crenças, atitudes, valores e motivações nas práticas turísticas. A pesquisa aplicada à essa investigação é de cunho qualitativo, com nível de profundidade interpretativo, pois, para responder ao problema de pesquisa - A denominação do Turismo como turismo de massa representa uma categoria de análise na epistemologia histórica do fenômeno ou uma definição operacional para o atendimento da demanda do mercado de consumo de massa surgido pós 1960 - só uma abordagem que possibilita a relação subjetiva-objetiva permite essa compreensão. Em relação aos procedimentos, essa pesquisa tem seu foco nas análises bibliográfica e documental. Quanto ao método de abordagem é o materialismo histórico dialético – com uma visão teórica da concepção de turismo como consumo de massa a partir da visão da teoria crítica. A teoria crítica pretende ser uma compreensão totalizante e dialética da sociedade humana em seu conjunto e dos mecanismos da sociedade industrial avançada, modelo explicativo das relações trabalho-lazer-consumo presente na obra estudada. Pois, a investigação desse fenômeno unitário, linguagem-conhecimento-realidade pode ser analisada, ora sob o enfoque do conhecimento, ora da linguagem, ora da realidade; porém o que não pode é perder de vista a unidade que sustenta o fenômeno. Jost Krippendorf, um dos pioneiros a abordar o tema turismo de massa, diz que para compreender o turismo moderno se faz necessário entender como os elementos são ligados, quais são as causas e os efeitos, os desejos e as realidades. Ao analisar o termo turismo de massa, no contexto atual da teoria crítica, nos quais os sujeitos são envolvidos pelo esquema da dominação, consolidado pelos meios de comunicação de massa – anula-se a relação entre o sujeito e suas experiências, que ocorre quando apreendemos o turismo como fenômeno social. Assim, torna-se necessário compreender o processo de massificação, que de acordo com a indústria cultural atomiza as massas. É o jogo da massificação! Palavras-chaves: Turismo de massa. Teoria crítica. Indústria cultural. Consumo de massa. Jost Krippendorf. 

 

06/07/2016 

 

 

 

 

 

Sandra Mara Tabosa de Oliveira

Neuza de Farias Araújo

OS SIGNIFICADOS E SENTIDOS DE SER BACHAREL EM TURISMO 

A escolha do tema surgiu do interesse em compreender os significados e os sentidos da profissão turismólogo (a) para os (as) egressos (as) dos cursos de graduação em turismo no Brasil. Tem como objetivos apontar, junto a esses profissionais, as contribuições da formação superior em turismo no trabalho desempenhado; identificar as resistências e desistências na profissão; e as contribuições do trabalho do turismólogo (a) para a sociedade brasileira. A pesquisa é do tipo qualitativa. A metodologia definida para alcançar os objetivos é a Análise do Discurso (AD) e as técnicas são pesquisa bibliográfica, análise documental, entrevistas com perguntas abertas realizadas face a face e aplicação de questionário semiestruturado, com perguntas abertas e fechadas, enviado por correio eletrônico. A investigação tem como objeto de estudo os egressos dos cursos de ensino superior em turismo no Distrito Federal e em outros estados do Brasil. As questões norteadoras da pesquisa são: Qual a contribuição da formação superior em turismo? Quais contribuições têm a profissão turismológo (a) para a sociedade brasileira? E quais são as forças para resistir ou desistir da profissão? A pesquisa possui dois eixos de análise: a construção da profissão e o trabalho do turismólogo (a). A partir das análises realizadas das entrevistas com os (as) egressos (as) dos cursos superiores de turismo, concluiu-se que os sentidos e significados atribuídos à formação dos (as) turismólogos (as) apontam: que os sentidos de ser turismólogo (a) são os trabalhos de planejador e organizador do turismo e de políticas públicas de turismo. E como significados, a construção da identidade desta profissisão, conforme as peculiaridades nela mencionadas na pesq pesquisa. Palavras-chave: Bacharel em Turismo. Sentidos e Significados. Formação Professional. Trabalho

06/07/2016  

Sergio Moreira Oller

Neuza de Farias Araújo

MOTO-TURISMO NO BRASIL: O CASO DO EVENTO MOTOCAPITAL DE BRASÍLIA 

O presente trabalho é resultado de uma pesquisa de cunho qualitativo, que trata de um estudo de caso sobre o evento Motocapital de Brasília, e os moto-turistas não residentes no Distrito Federal que se deslocam até lá, mediante o uso da motocicleta. Considerado um importante evento de motos da América Latina, e também o terceiro mais importante do mundo, o Motocapital, na sua última edição (XII, 2015), conseguiu reunir participantes e moto-clubes de várias regiões do Brasil e de outros países, como por exemplo, a Argentina, o Uruguai e os Estados Unidos. O estudo mostra ilustrações do Moto-turismo e as principais rotas e eventos dessa modalidade turística a nível mundial, destacando-as como importantes atrativos turísticos para os seus respectivos países. A opção metodológica recaiu na abordagem qualitativa devido a considerar que ela ajuda a expressar o sentido dos fenômenos sociais e a compreensão dos significados das ações humanas. O estudo de caso mostrou-se relevante para o conhecimento das situações concretas. Ressaltando os aspectos humanos e culturais no âmbito do moto-turismo, a pesquisa traz um estudo sobre o perfil do moto-turista não residente no Distrito Federal, e as características das suas viagens, mediante o uso da motocicleta. A pesquisa trata do Evento Motocapital de Brasília, não apenas como importante atrativo para a atividade turística da Capital Federal, mas também como atrativo para a prática do moto-turismo. É ainda, um tema com poucas referências bibliográficas e acadêmicas. A pesquisa também destaca a importância das mulheres motociclistas no mundo do motociclismo, pois além de ter sido observado um aumento considerável no número de mulheres que estão habilitando-se a pilotar uma motocicleta, o evento Motocapital, por segundo ano consecutivo, ofereceu um espaço exclusivo para elas. Foram realizadas entrevistas semi-diretivas com 45 pessoas, sendo 32 homens e 13 mulheres. Os resultados informam que o moto-turista que participa do Motocapital possui uma faixa etária bem variada, é de classe média, e procede principalmente das regiões sudeste, sul e nordeste do Brasil. Palavras-chaves: Turismo de Eventos, Moto-Turismo, Gênero, Tribalismo,Identidade,Mototurista, Motocapital. 

 

30/05/2016 

Vinicius Weitzel Novaes

Luiz Carlos Spiller Pena

GEOPARQUES E TURISMO: UM OLHAR SOBRE OS PIRINEUS -

PIRENÓPOLIS/GO. 

Os Geoparques se difundem a partir da necessidade da preservação do patrimônio geomorfológico. Segundo as diretrizes da UNESCO, um Geoparque deve gerar desenvolvimento sustentável, principalmente através do turismo. Considerando que o fenômeno turístico ocorre essencialmente no território, a criação e a implantação do Geoparque deve considerar todas as dinâmicas relacionadas ao território em que será realizado o projeto. A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais elaborou um documento com algumas propostas de geoparque a serem implantadas no Brasil. O município de Pirenópolis, em Goiás, marcado pelas atividades de extrativismo mineral, foi contemplado com a Proposta Geoparque dos Pireneus. Diante desse cenário, esta pesquisa, orientada pelo método do materialismo histórico dialético, reflete se a implantação do Geoparque dos Pireneus pode elevar a preservação do ecossistema na região, a partir do geoturismo, e fomentar práticas sustentáveis. A pesquisa é iniciada com discussão teórica sobre geoparques, interdisciplinaridade, território e sustentabilidade, e suas respectivas interlocuções com o fenômeno turístico. Posteriormente, realizou-se um estudo de caso sobre a Proposta de Geoparque dos Pireneus e a relação entre geoparques e turismo. O estudo de caso relacionou a história e economia de Pirenópolis a dados empíricos documentais, bem como a dados complementares. Observa-se, nos geoparques, possibilidade de redimensionamento do fenômeno turístico em Pirenópolis, bem como alternativa sustentável para a economia local e empoderamento comunitário, desde que o projeto seja elaborado sob perspectiva interdisciplinar e com participação popular. Palavras-chave: Geoparque dos Pireneus, Geoturismo, Pirenópolis, Interdisciplinaridade. 

 

 06/07/2016 

 

  TURMA DE 2011, 2012 E 2013

  

Aluno(a)

Orientador(a)

Título da dissertação

Resumo

Data da defesa

Agatha Rita Dorotéia Tavares Guerra

Iara Lúcia Gomes Brasileiro

O turismo LGBT em Brasília: desafios do lazer e da hospitalidade

O consumo e o turismo para o segmento de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros (LGBT) começa a movimentar o mercado brasileiro. Trata-se de um negócio atual e oportuno, pois esse público demanda uma participação expressiva ano após ano no mercado mundial, tanto em serviços turísticos especializados (hotéis, cruzeiros, agências de viagens) quanto em lazer, entretenimento (bares, restaurantes, baladas, saunas) e consumo de bens materiais (lojas de roupas, móveis). Nesse sentido, essa segmentação do turismo tem se afirmado como uma possibilidade econômica capaz de gerar lucros significativos. O público homossexual possui, em sua maioria, um nível de escolaridade e remuneração mais elevado que a média em geral, consome bastante, é muito exigente, bem informado, gosta de praticidade e a maior parte não possui filhos, o que torna seus gastos fixos bem menores se comparados aos de casais heterossexuais. É um segmento ávido por entretenimento e por cultura. A partir deste contexto, esta dissertação analisará a oferta de lazer da cidade de Brasília e a possibilidade do turismo para o público LGBT na perspectiva da hospitalidade. Palavras chave: Turismo. LGBT. Hospitalidade. Lazer. Brasília

06/03/2015

Alexander Malaver Copara

Iara Lúcia Gomes Brasileiro

Festival gastronômico "mistura" (Lima/Peru): nova janela de inclusão dos agricultores familiares pelo turismo gastronômico

O presente trabalho foi realizado com o objetivo de analisar as dimensões sócio-econômicas e culturais da sustentabilidade presentes no Festival Gastronômico Mistura visando sua possível contribuição para o desenvolvimento de comunidades de agricultores familiares e seus reflexos no turismo. Para estruturar o trabalho o autor delineou a história e as características do turismo, dos eventos, da gastronomia, agricultura familiar e de gênero ligado à sustentabilidade e inclusão. Foram apresentados os impactos que gera o turismo gastronômico por médio de Mistura em duas comunidades alto andinas sendo estas a comunidade de Hayllacayan e a de Malpaso ambas localizadas na região de Huánuco do Peru. Visando assim o começo do desenvolvimento de duas comunidades tendo o Turismo como atividade importante de desenvolvimento para as comunidades estudadas. Num segundo momento foram apresentados os procedimentos metodológicos utilizados no trabalho e para um melhor delineamento do estudo, foram utilizados questionários e entrevistas estruturados com questões fechadas e abertas sendo estas objetivas, com isso foi identificado que nas duas comunidades visitadas se pode enxergar que a Feira é um evento importante para o desenvolvimento destas dadas que se comprovou que as dimensões sócio-econômica e cultural da sustentabilidade presentes no Festival Gastronômico Mistura contribuem de forma direta para o desenvolvimento das comunidades agricultoras de Hayllacayan e Malpaso refletindo nas suas estruturas como a política, social, cultural econômica e ecológica. Por sua vez identificou-se que os produtos produzidos por estas comunidades vêm sendo conhecido nas grandes capitais do Peru e dos chefes gourmet, isto está originando um deslocamento de turistas nacionais e internacionais para as comunidades produtoras de produtos nativos, confirmando ser um crescimento do setor Turismo, por conseqüência a Feria elevou a oferta turística no Peru e abriu uma janela de inúmeras oportunidades para os pequenos agricultores. Palavras-chaves: Turismo. Agricultura. Gastronomia. Evento. Sustentabilidade.

03/03/2015

Alice Watson Cleto

Iara Lúcia Gomes Brasileiro

De cemitério de ideias a embrião de sementes:

Uma experiência sobre a mobilização social em Fernando de Noronha

 

A Ilha pernambucana de Fernando de Noronha (FN), um dos principais destinos turísticos do Brasil, está a beira de um colapso socioambiental, segundo o Estudo de Capacidade de Suporte (ECS) e Indicadores de Sustentabilidade de Fernando de

Noronha (FN), feito pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), em 2009. Noronha opera com uma sobrecarga de cerca de 2000 pessoas e se desenvolve privilegiando o crescimento do turismo e a preservação da natureza em detrimento da qualidade de vida dos moradores. Este quadro de dilaceramento socioambiental pode ser revertido se a comunidade, administração e turistas mudarem seus padrões de comportamento e se mobilizarem para transformar o destino de Noronha. Tendo como inspiração e base o programa Noronha +20 (2011), um projeto construído na Ilha de forma participativa com o objetivo de promover a gestão socioambiental sustentável de FN, esta pesquisa buscou analisar como seria possível mobilizar a comunidade a participar dos processos decisórios na administração insular. Ao pesquisar o histórico de mobilização na Ilha, uma bela história veio à tona: o movimento “SOS Noronha”, quando toda a comunidade lutou contra a anexação da Ilha a Pernambuco em 1988. Desde então, a comunidade está desunida, perdeu a esperança e vontade de batalhar pelo bem comum e pouco se envolve nos projetos e nas decisões que estão relacionadas diretamente ao seu futuro. Como resgatar esse sentimento que uniu a Ilha inteira em 1988 e usar o aprendizado desse movimento para mobilizar os jovens, única geração ainda capaz de iniciar esse necessário processo de transformação socioambiental? Para buscar essa resposta, pesquisei ferramentas de comunicação para mobilizar os atores envolvidos e produzi com os alunos do ensino fundamental e médio da Escola Arquipélago, única escola da Ilha, um documentário sobre a mobilização de 1988. Mobilizar trabalhando o afeto, a cidadania e a auto-estima são algumas descobertas dessa experiência compartilhada com cerca de 20 jovens noronhenses. A transmissão de saberes entre as gerações e o resgate histórico obtidos com essa pesquisa podem contribuir para propor estratégias visando um planejamento participativo voltado ao desenvolvimento sustentável de Noronha, cenário onde seria possível pensar na retomada do crescimento populacional, no turismo sustentável e, acima de tudo, na melhoria da qualidade de vida dos filhos da Ilha. Palavras chave: Mobilização Social – Comunicação – Fernando de Noronha - Turismo – Sustentabilidade

26/07/2013

Almir De Amorim Von Held

Othor Henry Leonardos (CDS)

 

Turismo em terras indígenas: Atravessando o portal com respeito

Atualmente cresce o interesse pelo turismo em comunidades indígenas, de forma bilateral, ou seja, além da sociedade em geral, algumas destas comunidades manifestam o referido interesse em tal ação. Não é aconselhável fechar os olhos para o anseio de certas comunidades em querer implantar atividades turísticas em seus territórios, porém, é necessário um aprofundamento nos estudos desta temática, atentando-se sempre ao lado indígena, para que não ocorra a assimetria nas relações. Embora os interesses sejam majoritariamente econômicos, o turismo em Terras Indígenas pode favorecer a inclusão social e o fortalecimento cultural, além de tornar-se uma parcela no conjunto das várias ações de sustentabilidade a serem implantadas nas comunidades, ou seja, um agente mitigador de certas desigualdades imputadas pelas frentes econômicas que estão às fronteiras de algumas regiões indígenas. Neste sentido, o presente estudo realizou, além de pesquisa de campo, também entrevistas semiestruturadas, com pesquisa bibliográfica e documental. Foram utilizados textos de autores que abordam o tema turístico, sob as diversas linhas de pensamento, incluindo o turismo como agente de sustentabilidade. Assim, foi possível identificar que as atividades turísticas podem se tornar danosas àquelas comunidades, por meio de inúmeros fatores, tais como: o lixo introduzido, o espaço invadido, a especulação imobiliária, fomentando até mesmo o surgimento de favelas, entre outros aspectos. Porém, o inverso também se mostra como algo verdadeiro, pois existem comunidades indígenas que a partir do turismo, adquiriram melhor visibilidade, e, consequentemente, mostraram sua realidade aos demais brasileiros, pois as sociedades indígenas vivem uma realidade diferenciada. Deve-se sempre levar em conta que em todas as discussões sobre turismo em Terras Indígenas, é preciso ampliar a participação indígena, evitando que se produzam soluções fictícias, vindas de cima para baixo, uma vez que ao longo dos anos, o fiel da balança sempre apontou para uma participação quase nula dos indígenas nas decisões sobre projetos em seus territórios, sendo que estes foram e serão os indivíduos mais atingidos nas atividades advindas de projetos em suas terras. O turismo responsável, não massivo, pode ser agente fomentador do ressurgimentos de algumas atividades culturais, atualmente em desuso ou quase esquecidas que, em razão do capitalismo extremado que invade as comunidades, transforma muitos de seus membros em boias-frias, fazendo-os meros serviçais em prol do enriquecimento de alguns. Por fim, o estudo em questão aponta para um leque de proposições para que o referido tema sirva como pauta de discussões futuras. A instalação de colegiados compostos por membros das áreas públicas e privada proporcionará a criação de diretrizes e ações quanto ao turismo em Terras Indígenas. Palavras-chave: Turismo. Comunidade indígena. Fundação Nacional do Índio. Inclusão social. Sustentabilidade.

18/07/2013

Ana Cláudia Macedo Sampaio

Marutschka Martini Moesch

 

A cultura da participação e o saber-fazer do turismo: estudo de caso observatório para o turismo sustentável de Cavalcante – GO.

As comunidades locais no processo de desenvolvimento do Turismo encontram na ação participante as possibilidades de verem incluídos os seus interesses, que às vezes, se relevam maiores que a simples satisfação econômica individual. Pelo turismo, a participação comunitária como potencial ferramenta de desenvolvimento endógeno deve ser discutida a luz da apreensão complexa do Turismo e da reflexão em torno das possibilidades do capital social, emancipação e cidadania, que requer um maior aporte teórico-metodológico favorável a sua consolidação como campo do conhecimento, desvelando-se novos olhares sobre o Turismo. Nesta investigação objetiva-se analisar a relação entre os processos de participação propostos pelo Observatório para o Turismo Sustentável de Cavalcante/GO e a construção de um saber-fazer do turismo por parte dos atores envolvidos em relação ao capital social existente. Bem como analisar as metodologias propostas pelo Observatório quanto instrumentos de empoderamento, emancipação e engajamento cívico dos atores participantes. Utiliza-se a metodologia qualitativa da pesquisa-ação, tendo como quadro de referência a dialética histórico-estrutural, associada ao uso da análise de conteúdos com intuito de tratar a dimensão coletiva e interativa da investigação a partir dos achados construídos pelos atores no período de junho de 2011 a julho 2012. Conclui-se que as dificuldades apresentadas no decorrer do processo do Observatório, associadas ao complexo desafio dos processos participativos, não puderam ser superadas por falta de um aporte teórico e metodológico que permitisse uma adequada reflexão quanto aos objetivos transformadores da proposta, que em parte se justifica pela imaturidade em relação à concepção participativa adotada. Em contraponto a essa problemática, compreende-se por fim que as metodologias intituladas como “participativas no turismo” prescindem de um aporte que ultrapassem a simples repetição de discursos produzidos em determinados contexto que não mais condizem com a atual necessidade de aprofundamento reflexivo em torno do Turismo e suas possibilidades de fato, diante de problemáticas tão complexizadas pela dinâmica globalizada do mundo contemporâneo que impõem um saber-fazer as práticas turísticas.

Palavras-chaves: turismo, participação comunitária, saber-fazer turístico, metodologias participativas, capital social, Observatório para o Turismo Sustentável-Cavalcante/GO.

08/05/2013

Ana Paula Caetano Jacques

Everaldo Batista da Costa

Patrimônio cultural x atrativo turístico: o caso da gastronomia em Belém do Pará

 

A gastronomia é indispensável ao turismo e turistas percorrem o mundo em busca do “exótico”, ou seja, da cultura alimentar do outro. Com base nesse pressuposto, partimos do princípio da gastronomia enquanto expressão da cultura (de uma sociedade, de um grupo, de um individuo) e ao mesmo tempo resultado da praxis humana. Assumimos uma postura crítica frente à dinâmica da apropriação material e simbólica dos bens culturais que, no contexto de uma sociedade pós-moderna, reflete, a nosso ver, os anseios de agentes públicos e privados e, consequentemente, dos turistas. Assim, esta pesquisa procura analisar -a partir de uma concepção dialética entre a produção e o consumo de bens culturais -a expressão da gastronomia paraense como patrimônio cultural versus atrativo turístico. Diante do frénésie em torno do consumo da “gastronomia típica”, a gastronomia paraense passa a integrar oficialmente o rol de produtos da oferta turística do Pará e, com isso, a capital do estado, Belém, desponta como espaço de produção e consumo do patrimônio cultural e da identidade gastronômica local. Dessa forma, procura-se estabelecer uma discussão a respeito da ressignificação da gastronomia paraense e sua valorização como “produto” a ser ofertado aos turistas pois ao ser promovida como atrativo turístico requer um esforço coletivo para que não seja transformada num simulacro da mesma identidade que expressa suas singularidades.Palavras-chave: Gastronomia paraense; Turismo; Patrimônio cultural.

07/07/2015

Ângela Araújo Gomes

André de Almeida Cunha

Gestão de resíduos sólidos como estratégia de sustentabilidade ambiental nos grandes eventos

Atualmente a gestão de resíduos sólidos é considerada como um desafio para os organizadores de eventos. O presente estudo tem como objetivo analisar a gestão de resíduos sólidos nos festivais de músicas: Starts With You (SWU) em 2010 e Rock In Rio (RiR) em 2011. Especificamente buscou-se identificar os impactos ambientais através da geração de resíduos gerados pelos eventos na localidade sede; comparar a gestão de resíduos sólidos desenvolvidas nos festivais de música SWU e Rock in Rio e propor estratégias para sustentabilidade ambiental voltada à gestão de resíduos sólidos em grandes eventos. No aporte teórico relacionou-se turismo, eventos destacando os festivais de música, planejamento de eventos, sustentabilidade ambiental e resíduos sólidos com um enfoque na Política Nacional do Meio Ambiente e documentos relacionados a gestão de resíduos em eventos como o Plano de Gestão dos Resíduos Sólidos da Rio+20 (2012) e a ISO 202121 (2012) que trata do Sistema de gestão para sustentabilidade de eventos. A lógica metodológica utilizada foi a hipotética-dedutiva com a utilização dos métodos comparativos para análise da gestão de resíduos sólidos desenvolvido nos festivais de música SWU - Starts Wiht You (2010) em Itú, São Paulo e a oitava edição do Rock In Rio (2011) no Rio de Janeiro. Os indicadores foram definidos com base no Plano de Gestão dos Resíduos Sólidos da Rio+20 (2012). Foram utilizados dados secundários obtidos dos documentos: Relatório de sustentabilidade do SWU 2010 e o Relatório 100R do Rock In Rio 2011. A comparação dos dados demonstrou que o SWU 2010 desenvolveu uma gestão mais eficiente do que o Rock In Rio 2011 por fatores tais como o envio para reciclagem de 53% dos resíduos coletados, criação de uma central de triagem no local do evento, campanhas de sensibilização ambiental a parceria de cooperativas locais na execução da gestão de resíduos. Analisando os documentos da ISO 20121 e o PGRS da Rio+20 observou-se que o primeiro enfoca no aspecto gerencial e o segundo apresenta diretrizes práticas a serem desenvolvidas. Sugere-se a compilação dos dois documentos para a criação de um selo de sustentabilidade em eventos além da inserção de cooperativas de catadores para garantir a eficácia da gestão. Palavras-chaves: gestão de resíduos sólidos, planejamento de eventos e sustentabilidade ambiental.

08/07/2014

Angela Teberga De Paula

Maria de Lourdes Rollemberg Mollo

 

Papel do estado, alívio à pobreza e turismo: Relações teóricas com o plano nacional de turismo 2007/2010

A presente Dissertação busca estudar o papel indutor das Políticas Públicas de Turismo para o alívio à pobreza, por meio da geração de emprego. Por meio de revisão bibliográfica e análise documental, propõe um debate sobre a inclusão social enquanto algo extremamente necessário ao desenvolvimento do país – sendo o turismo um setor que pode contribuir para o alívio à pobreza por meio do combate ao desemprego. Assim, a presente dissertação traça um panorama teórico-metodológico, que apresenta as categorias: Estado, Política Pública e Pobreza, e explora a relação da política pública de turismo com o combate à pobreza, a partir de uma visão econômica heterodoxa (ou seja, defensora da atuação discricionária do Estado), com base no instrumental que o Plano Nacional de Turismo 2007/2010 oferece. Palavras-chave: Estado; Alívio à Pobreza; Política Pública de Turismo; Plano Nacional de Turismo.

26/07/2013

Bárbara Lins Lima

Karina e Silva Dias

Estrada geral do sertão: potenciais turísticos de um caminho quase esquecido

Com a vinda da Capital para o Planalto Central, boa parte das memórias da região, antecedentes à construção de Brasília, foram parcialmente esquecidas. Uma dessas memórias diz respeito à Estrada Geral do Sertão, uma Estrada da época do Brasil Colônia que ligava a Bahia ao interior do País e era importante rota de comunicação e transporte de mercadorias, especialmente ouro e gado. De toda a Estrada em questão, o trecho de 300 quilômetros, que cruza a Região Norte do Distrito Federal e alguns municípios do Entorno, foi um dos atingidos por tal esquecimento. Apesar de não ser muito divulgada, a região possui atrativos turísticos consideráveis, como cavernas, cachoeiras, museus, festas populares, trilhas, centros históricos. Hoje, esses atrativos estão sendo redescobertos por parte de ciclistas da região. Em grupos e divulgando em sites e outros meios de comunicação, eles têm conseguido conhecer e divulgar parte desses fragmentos de memórias ainda existentes. A pesquisa em questão mostra essa dinâmica e apresenta como turismo, em especial o cicloturismo e a comunicação, podem contribuir para desvelar os fragmentos de memórias da Estrada Geral do Sertão.

Palavras-chave: Turismo. Estrada Geral do Sertão. Memória. Comunicação. Cicloturismo.

07/07/2015

Carla Adriana Oliveira Silva

Eloisa Pereira Barroso

As festas históricas e religiosas de Luziânia/GO atuando no desenvolvimento do potencial turístico da cidade

A preservação dos patrimônios tangíveis e intangíveis é fundamental para que se possa conhecer a história cultural, social e política de um determinado local. A atividade turística vem se destacando ao longo dos anos não apenas como fator de desenvolvimento econômico, mas também como agente no ato de rememorar e na preservação dos patrimônios históricos e culturais de diferentes lugares. Luziânia, por ser uma das cidades mais antigas do planalto central, com 266 anos, carece de estudos acerca do modo como o seu patrimônio histórico-cultural, tangível e intangível, atua e/ou pode atuar no desenvolvimento do potencial turístico do Município. Portanto o objetivo do estudo em tela é avaliar como a cultura e as festas religiosas de Luziânia podem ser importantes na preservação e divulgação dos patrimônios histórico-culturais da cidade, além da influência que estas festas possuem no desenvolvimento do turismo local. Palavras-chave: Cultura; Patrimônio; Turismo; Festas Religiosas; Luziânia.

03/07/2014

Carolina Fávero De Souza

Donária Coelho Duarte

Turismo responsável - uma análise da responsabilidade na gestão pública brasileira

Investigou-se neste trabalho se as atuais políticas públicas de turismo implantadas pelo Governo Federal Brasileiro contemplam o Turismo Responsável (TR) nos seus diversos campos – ambiental, social, cultural e econômico. Partindo dessa questão central, o objetivo geral deste estudo foi analisar as políticas públicas em curso no Ministério do Turismo (MTur) sob a ótica do Turismo Responsável para identificar iniciativas que possuam o seu pilar na responsabilidade. Trata-se de uma pesquisa aplicada, exploratória e descritiva, com abordagem hipotético-dedutiva, realizada por meio de levantamento bibliográfico e documental, recorrendo-se a fontes tanto nacionais quanto internacionais. Utilizou-se, também, pesquisa de campo, a qual consistiu em entrevistas semiestruturadas com gestores públicos do Ministério do Turismo, que foram estudadas com abordagem qualitativa e por meio da análise de conteúdo para verificar seu conhecimento e sua familiaridade sobre o tema, além de examinar quais as iniciativas foram percebidas por eles como tendo relação com o TR. Obteve-se como resultados que o MTur demonstra incorporar a responsabilidade em sete de suas ações, porém nem sempre todas as dimensões da responsabilidade são abarcadas. E que, apesar dos entrevistados terem apenas uma noção do que seria o TR, o conceito de responsabilidade é conhecido e desejado no âmbito do planejamento e desenvolvimento do turismo. Como recomendação foi proposta, ao final da pesquisa, entre outras coisas, a realização de seminários internos para divulgação e esclarecimentos sobre o tema. Palavras-chave: Sustentabilidade; Turismo Responsável; Políticas Públicas; Ministério do Turismo.

08/10/2014

Carolina Menezes Palhares

Marutschka Martini Moesch

O papel do turismo na reinvenção da imagem de Brasília como uma cidade criativa

A população mundial está se concentrando cada vez mais nas zonas urbanas e os ultrapassados modelos de cidade já não correspondem às demandas atuais de localidades multiculturais, dinâmicas e humanizadas. Assim a cidade criativa surge como um conceito que valoriza os processos criativos contínuos de inovação, das mais diversas ordens, tendo a cultura como foco nas transformações urbanas. A promoção do potencial criativo das cidades pelo turismo pode contribuir para a ressignificação da imagem da cidade, colocando em destaque a produção local baseada em manifestações artísticas e culturais, o que pode provocar inusitadas experiências no visitante. Esta dissertação teve como objetivo investigar as relações entre cidade criativa e o turismo criativo, identificando oportunidades e desafios para a dinamização do setor turístico em Brasília. O problema de pesquisa motivador trata da perspectiva de Brasília como uma Cidade Criativa e como isso pode contribuir para a ressignificação de sua imagem como cidade turística acolhedora, contemporânea e dinâmica, diferenciando-se da imagem expressa pela mídia como apenas espaço de poder administrativo, monumental pela sua patrimonialização. O caminho metodológico perseguido foi de uma pesquisa de caráter qualitativo, utilizando-se da técnica de triangulação dos dados. As categorias de cidade criativa, imagem e turismo criativo foram as construtoras da interpretação das evidências empíricas recolhidas. O foco do estudo foi a obra do artista plástico Athos Bulcão que conferiu à Brasília intervenções estéticas integradas à arquitetura que geraram roteiros turísticos, projetos educativos e produtos associados ao turismo com potencial de propiciar experiências na cidade-monumento, enfatizando a criatividade.

Palavras-chaves: Brasília. Cidade Criativa. Cultura. Economia Criativa. Turismo Criativo.

10/07/2013

Daniela Carvalho Bezerra Leite

Marutschka Martini Moesch

Feiras como espaços de hospitalidade e identidade coletiva: feira permanente da Ceilândia/DF

Esta dissertação trata das feiras como espaços de hospitalidade e identidade coletiva. O objetivo é analisar os processos de hospitalidade, comensalidade e convivência que ocorrem na feira Permanente da Ceilândia/DF. A investigação se desenvolve utilizando o método qualitativo de caráter exploratório/explicativo. O método de investigação da pesquisa foi o estudo de caso – Feira Permanente da Ceilândia/DF por meio da observação participante, entrevista e imagens fotográficas que serviram para obter o conhecimento amplo e profundo dos símbolos que refletem o pensamento e as ações dos atores. O campo simbólico de Bourdieu conduziu a análise da hospitalidade, comensalidade e convivência praticados na feira como formas de expressão cultural múltipla no Distrito Federal. A etnografia foi utilizada para reconstruir os achados a fim de responder o problema de pesquisa: se as feiras desempenham o papel de ressignificação da identidade coletiva a partir da hospitalidade, comensalidade e convivência. Assim esclarece o que ali ocorre e registra o significado do acontecimento. O estudo evidenciou que a feira possibilita para além de espaço de comércio um lugar de hospitalidade e, portanto, propenso a acolher o turista como espaço de prática cultural. Palavras-chave: Feira Permanente da Ceilândia/DF. Hospitalidade. Comensalidade. Convivência. Turista Cidadão. Culturas Híbridas.

08/06/2015

Elaine Gomes Borges da Silva

Iara Lúcia Gomes Brasileiro

Reflexões sobre a sustentabilidade e as transformações causadas pelo megaevento esportivo copa do mundo 2014 no Estádio do Maracanã/RJ e seu entorno

A presente dissertação é voltada ao estudo do megaevento esportivo Copa do Mundo da FIFA 2014 na cidade do Rio de Janeiro/RJ – Brasil. Estudou-se a Sustentabilidade aplicada na Copa do Mundo da FIFA 2014 na região do Maracanã e devido a amplitude que este tipo de evento instala em vários campos e a complexidade de saberes e ações necessárias para encampar tal empreitada, este seguiu o viés de buscar a sustentabilidade prevista nos documentos de planejamento do evento até o resultante no estádio Mário Filho – o Maracanã, uma das instalações das doze cidades sede do evento no país. Para melhor compreensão da estratégia utilizada para o megaevento esportivo, viu-se o surgimento das iniciativas e políticas para a inserção da sustentabilidade e suas diretrizes nos eventos da atualidade; a sustentabilidade no planejamento e organização do megaevento, o papel dos atores envolvidos na realização e alinhamento da estratégia de sustentabilidade até ser abarcada no estádio, nos investimentos e impactos no entorno. Estudou-se assim a sustentabilidade como um norteador na readequação daquele espaço do estádio do Maracanã. Palavras chaves: 1 - Turismo e Megaevento Esportivo; 2 - Copa do Mundo FIFA 2014; 3 - Sustentabilidade; 4 – Maracanã

06/03/2015

Elias Mota Vasconcelos

Eloisa Pereira Barroso

A educação patrimonial no centro histórico de Santarém-PA: possibilidades de conservação e revigoração do patrimônio edificado e formação do turismo cidadão

Esta dissertação teve como propósito analisar as representações que os alunos do Ensino Fundamental e os professores da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Frei Ambrósio construíram sobre o Patrimônio Histórico e Cultural da Cidade de Santarém/PA e suas compreensões sobre Educação Patrimonial, na perspectiva da formação do Turista Cidadão. Para alcançar as representações dos sujeitos supracitados, partindo de uma perspectiva de pesquisa descritiva, exploratória e qualitativa, recorreu-se à metodologia da história oral, através da aplicação de entrevistas gravadas em áudio e, posteriormente, transcritas para análise. Através desta pesquisa, conjecturou-se que a Educação Patrimonial é: um instrumento muito importante para a construção da cidadania e preservação dos bens patrimoniais localizados no Centro Histórico de Santarém, recorte espacial da pesquisa, considerado como lugar de memória e importante para a cultura e identidade local; um instrumento de capital importância na formação do Turista Cidadão, pois através de práticas pedagógicas, tais como as desenvolvidas na Escola Frei Ambrósio, é possível fazer com que os educandos exercitem um olhar de estranhamento e criticidade sobre o próprio Patrimônio de sua cidade, o que proporciona a criação de um contexto de identificação desses sujeitos com os Patrimônios e, por conseguinte, conhecimento de sua história e das identidades locais. PALAVRAS-CHAVE: Educação Patrimonial. Escola Frei Ambrósio. Centro Histórico de Santarém. Patrimônio. Turista Cidadão.

02/07/2015

Elissélia Keila Ramos Leão Paes

Marutschka Martini Moesch

Saberes procedimentais do curso de formação de multiplicadores na prevenção à exploração sexual de crianças e adolescentes no turismo

Os Saberes Procedimentais “habilidades de saber pensar e aprender” nos Cursos de Formação de Multiplicadores na Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes do Programa Turismo Sustentável e Infância (TSI) foi o objeto de pesquisa desta dissertação. Uma investigação de cunho qualitativo que buscou avaliar a metodologia participativa dos cursos de formação e os perfis dos sujeitos participantes “multiplicadores” quanto as suas possibilidades na construção da cidadania na prevenção da exploração sexual de crianças e adolescentes no turismo para além da institucionalidade. Com o olhar lançado na problemática dos conteúdos e se estes remeteram a uma análise crítica sobre a complexidade do fenômeno do turismo no trato à temática da violência sexual na produção de um saber-fazer que permitisse aos multiplicadores uma reflexão na ação suficiente para transpor em ações cidadãs. O método utilizado para a abordagem do tema foi a Dialética-Histórica-Estrutural. O caminho de reconstrução das evidências foi uma análise de conteúdo do Programa TSI e do Curso de Formação de Multiplicadores acerca da metodologia utilizada nos cursos, adotando como técnica a triangulação, e uso da pesquisa-ação, pois a pesquisadora também foi multiplicadora dos cursos de formação. Evidenciou-se que as dificuldades apresentadas no decorrer do processo de formação de multiplicadores, associadas ao complexo desafio dos processos tidos como “participativos”, não puderam ser superadas por falta de um aporte teórico e metodológico que permitisse uma adequada reflexão teórica em relação aos objetivos pretendidos como transformadores do programa. Só serão “saberes procedimentais” se forem coletivos e continuados. Estes devem estar unidos na questão social da violência sexual, pois a realidade é dinâmica, e a cada dia surgem novos problemas e novos atores nessa trama, assim se a continuidade na política de formação não for possível o processo de transposição do conhecimento não acontecerá.

Palavras-chaves: Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes; Turismo; Formação de Multiplicadores.

15/05/2014

Elmar Rodrigues de Lima

Neuza de Farias Araújo

A participação de pessoas idosas no mercado de trabalho do setor de turismo do distrito federal: possibilidades e limites

A dissertação versa sobre a participação dos idosos-idosas no mercado de trabalho no setor de turismo no Distrito Federal possibilidades e limites. Considerando que as pessoas idosas estão atuantes na sociedade, sendo condição de todos os seres vivos, pretendemos fazer uma reflexão sobre a questão do trabalho dos idosos/as e sua atuação em tarefas, em especial pensar nas questões de contribuição e aumento de renda, muito particulares aos idosos-idosas. Esta dissertação faz parte da pesquisa desenvolvida no âmbito do mestrado profissional em Turismo no CET da Universidade de Brasília e insere-se na linha de pesquisa Cultura e Sustentabilidade em Turismo. O objetivo geral deste trabalho é analisar a inserção do idoso/idosa no setor de Turismo. O contexto do tema escolhido é caracterizado por espaço e tempo envolvendo um estudo do Idoso, do Trabalho, no setor de Turismo. Utilizamos o método quanti-qualitativo e análise das categorias idoso, trabalho, turismo e gênero. O Estatuto do Idoso e a Política Nacional do Idoso definem como população idosa, aquela de sessenta (60 anos ou mais). Essa definição resulta numa heterogeneidade do segmento considerado idoso/idosa. Apresentaremos o perfil da população idosa, os aspectos demográficos, renda, políticas públicas, os idosos em estatística do IBGE. Procuramos tecer algumas considerações sobre os direitos das pessoas idosas, gerações, a feminização de idosas, os sentidos do trabalho, novas configurações da divisão sexual do trabalho. Apresentamos o turismo como fenômeno social, e gênero, suas relações na divisão do trabalho no setor de turismo. Palavras-chave: Turismo. Idoso. Inserção. Trabalho. Gênero.

04/06/2014

Elvio Siquieroli Cavaton

Neio Lúcio de Oliveira Campos

A viagem de turismo e o imaginário dos jovens de baixa renda em região administrativa do Distrito Federal

A problemática abordada neste trabalho diz respeito a ampliar o acesso dos jovens de baixa renda à educação e ao lazer, mediante a prática do turismo. O objetivo foi explorar o imaginário coletivo desses jovens para descrever desejos que sejam capazes de motivá-los a participar de uma viagem de turismo. Essa exploração fundamentou-se nas teorias sobre imagem e imaginário de Vigotsky, Sartre, Durand e Laplantine e Trindade e assumiu o pressuposto de que o imaginário é refratário a métodos quantitativos. Uma entrevista qualitativa com seis jovens foi levada a efeito, estimulando uma narrativa imaginada sobre a viagem de turismo e, assim, descreveu-se 18 desejos relativos a essa viagem, a saber: desejo de mordomia, conforto, descanso, tempo livre, diversão, redução de controles sociais, contemplar paisagens, integração com a natureza, aventura, consumo, viajar em grupo, interação social face a face, contemplar objetos extraordinários, alargar horizontes, comparar os modos de vida, autenticidade, desenvolvimento intelectual e mudança de status. Análise levou em conta os conceitos de Turismo e Turismo Social e revelou que todos os desejos descritos são passíveis de satisfação no âmbito de uma viagem turística e que apresentam algum tipo de relação com a educação ou o lazer. Concluiu-se pela possibilidade de os desejos descritos serem satisfeitos no âmbito de uma viagem de turismo; pela competência do Turismo para ser uma via de acesso à educação e ao lazer; e pela necessidade de implementação de uma política pública voltada para reduzir o déficit educacional e de lazer a que estão submetidos os jovens de baixa renda, por não terem acesso às viagens de turismo.

Palavras-chave: Imaginário. Turismo. Desejo. Jovem. Viagem. Turismo Social.

08/07/2015

Erika Cristiane Kilbert

Marutschka Martini Moesch

Pirenópolis – limites e possibilidades de desenvolvimento pelo turismo

Compreendendo o turismo enquanto um fenômeno de uma prática social, a análise do desenvolvimento deste vem a ser o tema central dessa dissertação, que tem como objetivo analisar as relações de capital e trabalho, e, as transformações sócio econômicas e suas influências no processo de desenvolvimento do Turismo no município de Pirenópolis. A expansão do Turismo no município ocorre desde os anos 1970, e intensificou se a partir dos anos 1990, devido à melhoria dos acessos, incentivo das políticas públicas de turismo e investimentos em infraestrutura de hospedagem e alimentação. Considerando este cenário, a investigação teve um caráter qualitativo, de nível exploratório e explicativo, buscando compreender das relações de capital e trabalho e as transformações sócio - econômicas que ocorreram no município após a instauração do turismo, desvelando os limites e as possibilidades de um desenvolvimento sustentável. A realização dessa pesquisa ocorreu em três momentos: no primeiro buscou se construir a teoria do objeto pela análise teórica a respeito do tema, a partir da reconstrução dos conceitos: Desenvolvimento e suas multíplices interpretações; Turismo; relações de capital e trabalho; território e práticas sociais, e, políticas públicas e planejamento do turismo. Em um segundo momento, foram analisados diferentes documentos referentes ao planejamento do turismo e dados do Ministério do Trabalho , posteriormente foram entrevistados os principais atores intrínsecos ao processo de desenvolvimento. A partir da pesquisa teórica e empírica, foi concretizada a análise para identificar se o turismo estabelecido é uma prática social que propicia o desenvolvimento sustentável do município em sua totalidade. Palavras-chaves: Desenvolvimento, Turismo, Pirenópolis, Relações de Capital e trabalho.

13/07/2015

Fernanda da Silva Sant'anna

Eloisa Pereira Barroso

Educação patrimonial e a formação do turista cidadão: um estudo de caso sobre o projeto re(vi)vendo êxodos

O Projeto Re(vi)vendo Êxodos se caracteriza pelo ensino e orientação de jovens no contexto de três áreas específicas que são: Cidadania, Patrimônio e Qualidade de Vida. O presente projeto de pesquisa se propõe a analisar o Projeto Re(vi)vendo Êxodos a partir da Educação Patrimonial como conscientizador do educando quanto à importância da valorização de sua cultura e, ainda, como incentivo à prática responsável de preservação do Patrimônio permitindo que o cidadão aprenda a enxergar a sua cidade de maneira diferenciada, levando à construção e prática de um novo olhar e, consequentemente, ao surgimento do Turista Cidadão. Com o intuito de esclarecer esta perspectiva a presente dissertação traz uma análise dos conceitos do Fenômeno Turístico que podem ser utilizados para compreender a importância da Educação Patrimonial para este fenômeno. As acepções acerca das categorias Experiência e Educação propostas por autores específicos, também serão analisadas em relação à vivência sociocultural dos alunos participantes do Projeto Re(vi)vendo Êxodos. Palavras-chave: Educação Patrimonial. Experiência. Projeto Re(vi)vendo Êxodos. Turismo. Turista Cidadão.

04/03/2015

Geruza Aline Erig

Maria Elenita Menezes Nascimento

Hospitalidade como vantagem competitiva: um estudo de caso das instituições turísticas de palmas na visão dos atores

O município de Palmas, no Estado do Tocantins, possui apenas 25 anos de existência. Antes mesmo de se tornar destino turístico ou mesmo portal para acesso aos atrativos turísticos como os da região do Jalapão, a cidade capital homônima nasceu a partir do desmembramento do Estado de Goiás definido pela Constituição de 1988. Como cidade planejada e que possui seu produto interno bruto baseado principalmente no setor de serviços, Palmas possui uma configuração territorial privilegiada, com espaços de preservação ambiental e de qualificação da área urbana, como a Praça dos Girassóis, a Praia da Graciosa e o Parque Cesamar que geram espaços sociais de uso do território para o lazer e o turismo. Espaços que, entre outros, apresentam uma cidade com características de hospitalidade próprias, fruto do processo histórico de seu desenvolvimento. Por outro lado, nota-se que o território da cidade não é homogêneo na oferta da hospitalidade, inclusive a turística. As noções de hospitalidade e território relacionadas ao turismo serão tratadas nessa pesquisa, a fim de responder ao objetivo proposto de analisar os sentidos da hospitalidade, na visão dos atores, expressa pela cidade de Palmas, enquanto destino turístico. Parte-se de questões centrais baseadas no movimento concreto e sócio histórico da realidade de estudo em relação às contradições que a constituem. Com base no referencial teórico (hospitalidade, território e turismo) um estudo de caso foi realizado, o que permitiu reunir informações detalhadas para o entendimento da hospitalidade. A vantagem competitiva utilizada nesta pesquisa deve ser entendida como uma vantagem fundamental que os estabelecimentos e locais turísticos apresentam em relação aos seus concorrentes, que pode ser demonstrada pelo desempenho superior ao das demais cidades. Trata-se de uma vantagem fundamental, pois representa aquele "algo mais" que mostra que a cidade pode ser diferenciada e que a coloca em destaque frente aos outros destinos turísticos. Como resultado conclui-se que a prática da hospitalidade em Palmas pode representar uma vantagem competitiva para alavancar o turismo na cidade. Palavras - chave: Turismo, Território, Hospitalidade, Palmas (TO).

04/07/2014

Hugo Emanuel de Almeida

Karina e Silva Dias

Imaginário e experiência turística no sítio arqueológico Bisnau – Formosa - GO

Esse trabalho procura analisar como o imaginário acerca do sítio arqueológico Bisnau em Formosa- Goiás influencia no deslocamento turístico a esse atrativo e como, através das diversas possibilidades de experiência nesse destino são transformados os sujeitos, e os espaços que por eles são praticados. As infinitas relações do homem no espaço turístico do sítio arqueológico Bisnau irão revelar maior ou menor intimidade com este espaço, esses diferentes graus de relacionamento estabelecidos entre homem e meio serão elucidativos para entendermos como os homens se ligam aos espaços e os transformam em lugar. Através dos relatos e outras narrativas sobre a experiência de visitação ao lajedo rupestre do Bisnau, procuramos observar algumas manifestações que pudessem revelar uma intimidade nessa relação entre os turistas e o atrativo visitado. Destarte, essa relação dos homens no mundo, delimitado aqui no âmbito do espaço turístico, gera a partir da experiência num espaço geográfico um espaço subjetivo e simbólico. Esta pesquisa, dessa forma, é um olhar sobre alguns aspectos mais sensíveis e subjetivos do fenômeno turístico no sítio arqueológico Bisnau O imaginário influencia nas mais variadas experiências dos turistas no espaço, desencadeando sentimentos e valores que revelam lugares vividos, Esses conceitos – imaginário, experiência, espaço e lugar – são trazidos nessa pesquisa para demonstrar parte da realidade do turismo ao sítio arqueológico Bisnau e como eu, enquanto pesquisador, o percebo, procurando revelar a potencialidade que a região do Bisnau possui principalmente presente na aura mística contida no imaginário desse lugar. O sítio Bisnau, caracteriza-se pela presença de desenhos gravados num lajedo à céu aberto e, são em sua maioria geométricos. Essas inscrições rupestres em baixo relevo são conhecidas na arqueologia como petróglifos. Esse sítio, que recebe a visitação de diferentes interessados, até mesmos os curiosos, revela variadas possibilidades de interpretação, são essas versões sobre o espaço visitado que revelaram a relação mais intima dos homens nos lugares experimentados. Palavras-Chave: Turismo, Arqueologia, Imaginário, Experiência, Espaço e lugar.

09/07/2015

Isabela Coutinho Machado

Marutschka Martini Moesch

 

Os caminhos da contradição entre o valor simbólico e mercantil da água e sua apropriação pelo turismo de águas termais – turismo em Caldas Novas

Caldas Novas tem como principal atrativo turístico fontes de águas termais. O início do fluxo de visitantes na cidade era motivado, principalmente, pela fama curativa dessas fontes, envolvidas em um valor simbólico de cura e renovação. Por essa razão, a pesquisa teve como objetivo desvelar a concepção de sociedade-natureza presente no turismo de águas termais em Caldas Novas e o modelo de reprodução do valor simbólico e mercantil da água estabelecido nesse destino turístico, uma vez que a percepção de sociedade-natureza e o valor simbólico da água são considerados aspectos fundamentais no direcionamento do planejamento turístico da cidade. A partir de uma construção teórica das categorias de análise (tese) e das interpretações dos dados obtidos por meio de entrevistas, do estudo do Plano Diretor e de materiais de divulgação turística do município (antítese), feitas a partir da técnica da análise do discurso e tendo como base o quadro interpretativo da dialética histórico-materialista, buscou-se compreender as mudanças na concepção de sociedade-natureza e no valor simbólico atribuído às águas termais, que culminaram no atual modelo de desenvolvimento turístico do local. Concluiu-se (síntese) que houve perda quase total do valor simbólico dessas águas. Importância que foi reduzida unicamente ao valor econômico, restando apenas alguns resquícios dos mitos e simbolismos de sua história nos cenários dos parques aquáticos e, superficialmente, nos discursos dos entrevistados e nos materiais de divulgação turística.Nesse sentido, o turismo voltou-se para o lazer e para as “massas”, com uma visão de sociedade-natureza utilitarista, que atribui aos recursos naturais o papel de mercadoria,desvinculando-os de sua totalidade simbólica e cultural no universo humano. Palavras-chave: Turismo. Caldas Novas. Sociedade-Natureza. Água. Águas Termais. Valor Simbólico.

23/072013

José Murilo Rocha

Iara Lúcia Gomes Brasileiro

Os aspectos objetivos e subjetivos da segurança em turismo de aventura

Há alguns anos a atividade de turismo de aventura vem crescendo no Brasil. Atualmente o turismo de aventura está amplamente disseminado no Brasil e uma grande variedade de empresas e prestadoras de serviços se estabeleceu em todo território nacional. Com o crescimento do setor, o debate com relação à segurança nessas atividades também tem sido fomentado. Desta forma, a proposta nesta pesquisa é estudar a segurança no turismo de aventura sob o ponto de vista objetivo e também sob a ótica subjetiva. A questão principal a ser investigada neste trabalho, é a resposta à seguinte pergunta: O que é segurança em turismo de aventura? Um sentimento? Uma realidade externa proporcionada pela existência de infraestrutura adequada, ou os dois aspectos? Desta forma, o presente trabalho tem como objetivo principal pesquisar o turismo de aventura, mais especificamente as atividades de voo de parapente, o surfe e o cicloturismo, no que se refere à questão da segurança, tanto a que aqui foi chamada de objetiva, referindo-se aos aspectos externos à pessoa do turista, quanto a que aqui foi chamada de subjetiva, referindo-se ao turista em si, seu sentimento de segurança, como viu a questão do risco e suas emoções, como as expressava. Palavras chave:Turismo de aventura. Segurança objetiva. Segurança subjetiva. Voo livre. Surfe. Cicloturismo. Normatização.

05/03/2015

Juliana Fernandes Da Silva

Ellen Fensterseifer Woortmann

 

Filhos do aventureiro: Um olhar para gênero, transmissão de saberes, unidades de conservação e turismo

Esse trabalho se propõe a analisar como acontece a transmissão de saberes para os “Filhos do Aventureiro”, nas relações de parentesco e compadrio. Com o trabalho partilhado em família, há também uma divisão do trabalho por gênero, com atividades predominantemente femininas, nas roças, nas casas e nos quintais, ou masculinas, no mar; porém relativizada mediante a “complementaridade” entre os gêneros. As Unidades de Conservação sobrepostas ao Aventureiro, se os protegeram da especulação imobiliária, por outro lado, foram uma apropriação por parte do Estado, cerceando não apenas o espaço físico mas também as práticas culturais da população, principalmente nas atividades femininas. Com os cerceamentos, tiveram que adaptar-se a uma dimensão moderna: a do Turismo, em que a relação de gêneros é tida em par de equidade. Os turistas tornam-se, de certa forma, “membros temporários” da família, passando de clientes a amigos em alguns casos. O Turismo possibilita um diálogo entre os saberes tradicionais e modernos. Palavras-chave: Ilha Grande, Vila do Aventureiro, gênero, Transmissão de saberes, Turismo.

25/07/2013

Juliana Viégas Pinto Vaz Dos Santos

Iara Lúcia Gomes Brasileiro

 

Contribuições da educação profissional na prevenção da exploração sexual de crianças e adolescentes no turismo

Esta dissertação pesquisa o tema exploração sexual de crianças e adolescentes no turismo sob a ótica da educação profissional ofertada pela Rede Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, nos cursos técnicos do eixo tecnológico Turismo, hospitalidade e lazer. Contextualiza a atividade turística, apresenta a educação profissional, a Rede Federal de Educação e a missão dos Institutos no processo de formação e desenvolvimento do cidadão, refletindo sobre as formas de contribuição da educação profissional na prevenção desse tipo de exploração e sobre quais são as iniciativas no processo de prevenção e proteção desta problemática. Entende que os profissionais que atuam diretamente junto a turistas nacionais e estrangeiros necessitam de uma formação ética e cidadã, inclusive no que se refere aos direitos das crianças e dos adolescentes, em especial, as que se encontram em situação de vulnerabilidade social. Esta pesquisa fornece ainda informações relativas ao fenômeno da exploração sexual contra a criança e o adolescente, e sua interface com a educação e o turismo. Na reflexão foi utilizado o método dialético como quadro interpretativo utilizando a técnica de pesquisa da triangulação, para analisar os documentos norteadores da educação profissional como também as práticas pedagógicas e formas de abordagem do tema nos cursos pesquisados. Como resultados da pesquisa, constatou-se que o tema em questão não é trabalhado pela maioria dos docentes dentro ou fora da sala de aula, apesar de todos afirmarem que consideram importante o desenvolvimento do assunto no âmbito da educação profissional em especial nos cursos de Turismo, hospitalidade e lazer. Acredita-se que a revisão do catálogo nacional de cursos técnicos, sugerindo o tema exploração sexual de crianças e adolescentes como prioritário para a formação integral do futuro profissional da área, será um fator impulsionador para a inclusão desta discussão no ambiente escolar da Rede Federal de Educação Profissional. Palavras-chave: Turismo. Educação Profissional. Exploração Sexual.

19/07/2013

Juliane Noschang

Marutschka Martini Moesch

Ressignificando o modelo teórico sistur diante da complexidade do fenômeno turístico

Esta investigação de cunho qualitativo busca a ressignificação do modelo teórico SISTUR e suas possibilidades e limites de aplicação metodológica na compreensão do turismo na sua complexidade. Entende-se o turismo como uma combinação complexa de relacionamentos entre produção e serviços cuja composição integram-se uma prática social com base cultural, a um meio ambiente diverso, relações sociais de hospitalidade e troca de informações interculturais. Utilizando como método a dialética histórico estrutural, a pesquisa apresenta-se em três momentos: No primeiro momento, apresenta-se a teoria sistêmica sua origem e derivações, a compreensão sistêmica a partir da teoria da complexidade. No segundo momento descreve-se o caminho metodológico e se apresenta o SISTUR. No terceiro momento apresenta-se uma transposição ao estudo de caso na cidade de Foz do Iguaçu onde se utilizou o SISTUR enquanto modelo teórico de análise, suas relações às noções operatórias de campo e habitus de Bourdieu e a reconstrução do modelo do SISTUR, em suas características e componentes tendo as categorias da complexidade como um possível caminho metodológico de compreensão do turismo na contemporaneidade. Palavras-chaves: Foz do Iguaçu. SISTUR. Teoria Geral dos Sistemas. Epistemologia do Turismo. Complexidade. Turismo.

24/04/2014

Juzânia Oliveira da Silva Brandão

Marutschka Martini Moesch

Turismo de base comunitária : ressignificando a concepção de comunidade

O interesse dessa pesquisa recai sobre a questão conceitual na qual diferentes propostas de turismo tem como alicerce o encontro entre visitantes e anfitriões e como muitos destes encontros intitularam-se desenvolvedores do Turismo de Base Comunitária. Trata também sobre a notoriedade que este tema ganhou nos últimos anos e sua real condição de avançar para além de uma segmentação mercadológica turística, que constituirá aqui a principal investigação. É a partir dessa realidade que se constrói a questão problema deste estudo: quais os efeitos no desenvolvimento do Turismo de Base Comunitária com o reducionismo em seu tratamento quando compreendido como segmentação turística pelo Ministério do Turismo? Dessa forma, analisar-se-á os projetos apoiados pelo Ministério do Turismo em seu edital de chamada pública de 2008 na tentativa de encontrar respostas quanto a concepção e compreensão de Turismo de Base Comunitária – TBC - tanto do órgão em questão como das iniciativas selecionadas que esse edital reverberou como sendo desenvolvedoras do Turismo de Base Comunitária. O estudo do tema proposto e de cunho qualitativo, adota como caminho metodológico o quadro de referência do materialismo dialético e a análise documental como estratégia de evidenciação dos dados a serem tratados a partir da análise de conteúdo. As análises permitiram encontrar respostas sobre a fragilidade da ausência de uma definição nos projetos do TBC do conceito de comunidade e as consequências disso na aplicação do edital utilizando-se somente do quesito “protagonismo” para definir o que se constituiu como segmento. Palavras-chave: Turismo; Turismo de Base Comunitária; Comunidade.

12/012/2014

Laercio Bezerra Falcão Neto

Maria Elenita Menezes Nascimento

Turismo em Resex: Perspectivas de desenvolvimento, participação social e políticas públicas nas Resex de Soure e de Curuçá no Pará

Quando se trata de espaços instituídos na forma de Unidades e Conservação, onde há um arcabouço legal que garanta o resguardo dos bens naturais, há de existir um criterioso estudo para que não repercutam efeitos danosos de ações que meçam somente o incremento do turismo. Nos municípios de Soure e Curuçá situados no norte do Pará, há uma propensa sensibilidade para o turismo devido às qualidades naturais e culturais existentes. Contudo, os municípios guardam em seus limites Unidades de Conservação na categoria de Reserva Extrativista, que direta ou indiretamente se deparam com as políticas ou projetos em turismo e acabam sendo pressionadas pelos resultados das ações que resvalam sobre as comunidades das RESEX. Esta pesquisa propõe analisar os processos socioeconômicos e ambientais causados para as RESEX Soure e Mãe Grande Curuçá a partir dos efeitos negativos das ações desordenadas e mal planejadas para o turismo e compara os resultados com as ações destinadas ao fomento do turismo por parte do poder público, iniciativa privada e comunitária dentro das Reservas Extrativistas de Soure e Mãe Grande em Curuçá no Estado do Pará. Parte das perspectivas e resultados que o turismo gera nos municípios sede de Soure e Curuçá e os efeitos socioeconômicos para populações tradicionais das Reservas Extrativistas. Como resultado a pesquisa apresenta sugestões e recomendações que buscam minimizar os efeitos negativos de ações mal planejadas e empreendidas nas RESEX Soure e Curuçá. PALAVRAS-CHAVE: Turismo; Reservas Extrativistas; Desenvolvimento; Políticas Públicas; Participação Social.

Set/13

Laís Martins Carneiro

Marutschka Martini Moesch

Contradições conceituais do programa de regionalização do ministério do turismo e suas implicações na execução - estudo de caso: Distrito Federal

Esse estudo tem como objetivo analisar as implicações das contradições conceituais do Programa de Regionalização do Turismo para sua execução. Para tal, propõe-se desvelar seus conceitos a partir da visão do Ministério do Turismo e identificar as consequências da implantação do Programa, de 2004 a 2013, para o desenvolvimento regional e para o turismo. E, ainda, investigar como estas incongruências influenciaram o desenvolvimento, a eficácia e a continuidade do PRT no Brasil. O Programa foi lançado em 2004 e se propunha a ser um modelo de gestão de política pública descentralizada configurando uma estratégia de desenvolvimento do turismo no território. Com o andamento de suas ações, passou-se a observar a direção que a política estava tomando, levando aos questionamentos de seu posicionamento. Trata-se, portanto, de uma investigação qualitativa, de nível descritivo explicativo, buscando revelar estas contradições tendo como base a realidade do Distrito Federal. Esta pesquisa apresenta três momentos: no primeiro buscou-se construir o histórico da relação do Estado com a sociedade na América Latina e no Brasil, a evolução das políticas públicas de turismo e a criação e estrutura do Ministério de Turismo, do Plano Nacional de Turismo e do PRT. No segundo, foi explanada a trajetória dos caminhos metodológicos que contemplou as análises a partir de evidências documentais e entrevistas com atores estratégicos inerentes ao processo e foi descrita a contextualização do objeto foco de estudo. O terceiro encerra a síntese em que se discute a regionalização sob a perspectiva geográfica e turística e os limites do Programa de Regionalização do Turismo a partir de sua concepção teórica. Palavras-chave: Turismo, Programa de Regionalização do Turismo, Políticas Públicas e Contradições.

16/06/2014

Lara Santina Santos Da Nóbrega

Karina e Silva Dias

 

O desvelar do centro histórico de João Pessoa pelo turista/flâneur

Esta dissertação tem o objetivo de discutir a relação entre a experiência de caminhar/passear e o desvelar do Centro Histórico de João Pessoa pelo turista/flâneur. O fenômeno turístico, a experiência turística, o tempo, o caminhar/passear, o turista/flâneur, a paisagem e o olhar do turista são abordados como conceitos essenciais para esta discussão. Inicialmente, o turismo é tratado a partir dos discursos tidos como mais pertinentes, e que o concebem como fenômeno, como experiência do sujeito, considerando-se os sentidos daqueles que o envolvem. Nesse processo de desvelar da cidade, o tempo é um fator relevante e se configura como um elemento diferencial para a experiência do turista. Caminhar/passear pela cidade transcende, aqui, a noção de uma mera atitude locomotiva do corpo, posto que tais ações englobam o local, a maneira como se passeia e o olhar daquele que passeia. Propõe-se, assim, a concepção de um turista diferente daquele indivíduo tido apenas como mero consumidor de cartões-postais. O turista/flâneur evocado neste projeto é aquele que passeia pelos lugares com desenvoltura e atenção, sempre disponível às diferentes percepções. Descreve-se, ainda, a capital paraibana e a consolidação do seu Centro Histórico, com o intuito de fazer uma breve apresentação do estudo de caso em questão. A partir do Centro Histórico de João Pessoa, empreenderam-se as considerações sobre a experiência singular de caminhar/passear pela cidade. Palavras-chave: Fenômeno turístico. Experiência turística. Tempo. Caminhar/passear. Turista/flâneur. Paisagem. Centro Histórico de João Pessoa.

22/07/2013

Letícia Lima De Freitas

Luiz Carlos Spiller Pena

 

Sustentabilidade sociocultural e turismo na reserva extrativista marinha de Caeté-Taperaçu

A atividade turística vem crescendo significantemente ao longo dos anos, principalmente na busca dos turistas por ambientes naturais conservados e que tragam a eles a apreciação e o contato com a natureza. Nesse contexto, destaca-se a prática da atividade turística em Unidades de Conservação (UC‘s) que, quando bem executada, pode, além de favorecer a proteção desses ambientes, promover a sustentabilidade sociocultural das comunidades tradicionais existentes. Tal fato orientou o presente estudo ao eleger a Reserva Extrativista Marinha de Caeté-Taperaçu, situada no nordeste do Estado do Pará, no município de Bragança, como objeto de estudo. Trata-se de Unidade de Conservação de Uso Sustentável, com recurso natural predominantemente de manguezal, que foi criada em uma área que sofre vários impactos negativos devido à ação humana, como a pesca excessiva e o desmatamento de áreas de mangue. Cenário que possui de um lado comunidades que vivem basicamente da pesca de subsistência e da agricultura familiar, e, de outro, um modelo de turismo massivo realizado na chamada Praia de Ajuruteua, uma área excluída da poligonal de preservação apesar de localizar-se em meio ao território da Reserva. Tal realidade, historicamente produzida e que gera diversos impactos ambientais, econômicos e socioculturais, motivou o objetivo da dissertação de identificar as implicações do turismo na sustentabilidade sociocultural das comunidades usuárias da Reserva Extrativista Marinha de Caeté-Taperaçu. Para tanto se buscou contextualizar e relacionar a noção de turismo sustentável em relação àReserva Extrativista Marinha de Caeté-Taperaçu, investigando como se constrói o envolvimento das comunidades da Reserva Extrativista Marinha de Caeté-Taperaçu com o turismo na Praia de Ajuruteua, identificando a produção comunitária associada ao turismo e os impactos socioculturais provocados pelo turismo praticado naPraia de Ajuruteua, para refletir sobre tais impactos em relação à construção do Plano de Manejo da Reserva Extrativista Marinha de Caeté-Taperaçu. O presente estudo teve como estratégia metodológica o quadro de referência Dialético Histórico Estrutural e como método a pesquisa e análise descritiva e explicativa, com caráter qualitativo. Quanto aos procedimentos utilizou-se o levantamento bibliográfico e documental, participação em reuniões das oficinas participativas de elaboração do Plano de Manejo, pesquisa de campo in loco. Constatou-se que há uma relação conflituosa entre as comunidades extrativistas e a prática do turismo na Praia, e que para que haja o desenvolvimento do turismo na RESEX há primeiro que se pensar em resolver este e outros conflitos e problemas apresentados. A partir das constatações apontam-se sugestões que orientem a formulação depolíticas públicas para o turismo sustentável na Reserva Extrativista Marinha de Caeté-Taperaçu e entorno. Palavras-chave: Sustentabilidade Sociocultural; Comunidades Extrativistas e Turismo; RESEX Marinha de Caeté-Taperaçu

24/07/2013

Lívia Cristina Barros da Silva Wiesinieski

Iara Lúcia Gomes Brasileiro

Políticas públicas do setor hidrelétrico como ferramenta para o desenvolvimento sustentável do turismo em regiões atingidas por barragem

Com base nos princípios da sustentabilidade dos recursos naturais, particularmente, da água, de forma continuada e múltipla, têm sido propostas políticas públicas voltadas para o setor hidrelétrico do Brasil. No caso de barragens, existem diferentes atividades que podem ser desenvolvidas tanto nos lagos quanto em seu entorno. De modo geral, o discurso é de desenvolvimento econômico e social de localidades marginalizadas. Este trabalho tem como objetivo geral analisar as políticas públicas que sugerem a prática do turismo em barragens de hidrelétricas. Discute, ainda, ações propostas para o uso do turismo nos reservatórios tendo como prioridade os interesses manifestados pela população local durante o processo de construção do Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório Artificial/ Plano de Conservação Ambiental e Usos da Água e do Entorno do Reservatório (PACUERA/PCAU). O turismo muitas vezes é apresentado como uma possibilidade estratégica de melhoria dos equipamentos de uso coletivo, como hospitais, praças, parques e estradas, além de proporcionar o desenvolvimento local a partir da ampliação do número de empregos e da criação de novos negócios. Para responder às questões propostas, foi feita revisão bibliográfica, análise documental, entrevistas e estudo de caso - UHE Barra Grande (RS/SC) e UHE Corumbá IV (GO). Utilizou-se como ferramenta para a interpretação dos dados, o Advocacy Coalision Framework (ACF) e a triangulação. Os resultados indicaram que, apesar da legislação sugerir o uso das áreas naturais para o turismo, sua implantação nem sempre tem reflexos na realidade local. Além disso, mostraram que o incremento da atividade vem dos discursos políticos, quase nunca das comunidades atingidas pela barragem. Finalmente, o estudo reafirmou a possibilidade do uso do turismo como alternativa para o desenvolvimento e para a preservação/conservação dos recursos naturais, bem como reforçou a necessidade de articulação entre os diferentes atores: governos em suas instâncias municipal, estadual e federal, empresários e comunidade. Palavras-chave: Políticas Públicas; Barragem; Turismo; Sustentabilidade; Desenvolvimento local

03/03/2015

Luis Eduardo dos Santos Barros

Iara Lúcia Gomes Brasileiro

Turismo e inclusão: a viagem de um autista

O objetivo geralda presente pesquisa é de investigar se e como o Turismo pode ser uma ferramenta de inclusão para as pessoas autistas visando propor ações que possam ajudar na conquista de sua plena cidadania. Outros objetivos foram tratados no decorrer da pesquisa, como levantar a legislação sobre acessibilidade, particularmente para pessoas autistas; buscar informações sobre a oferta turística existente para pessoas autistas no Brasil; levantar informações sobre os reflexos do turismo no cotidiano das pessoas autistas. O caminho metodológico da pesquisa apresentou um corte qualitativo, apresentado por questionários distribuídos a pessoas e empresas de turismo, entre agências de viagens e operadoras de turismo. Também foi desenvolvida uma entrevista com o pesquisado, respeitando suas limitações de compreensão e desenvolvimento mental, sobre seus desejos e impressões a respeito da viagem realizada com o pesquisador. Palavras-chave: Turismo. Autismo. Inclusão. Pessoas autistas

05/03/2015

Maria De Jesus Rodrigues Moreira Oller

Karina e Silva Dias

Turismo religioso e esotérico: experiências de atendimento mediúnico em visitas ao recinto de caridade Adolfo Bezerra de Menezes, no Gama - DF

O presente trabalho é uma Dissertação de Mestrado intitulada “Turismo Religioso e Esotérico: atendimento mediúnico em visitas ao Recinto de Caridade Adolfo Bezerra de Menezes, no Gama – DF”, orientada pela Profa. Dra. Karina e Silva Dias, apresentada por Maria de Jesus Rodrigues Moreira Oller ao Curso de Mestrado Profissional em Turismo do Centro de Excelência em Turismo (CET) da Universidade de Brasília (UnB), como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Turismo. É fruto de uma pesquisa participativa de cunho qualitativo, que trata de um estudo etnográfico sobre o Recinto de Caridade Adolfo Bezerra de Menezes, situado no Gama - DF e os visitantes que para lá se dirigem em busca de atendimento mediúnico. Além de ressaltar os aspectos humanos do Turismo, buscou-se a identificação e análise dos processos e manifestações culturais no âmbito do Turismo Religioso e do Turismo Místico e Esotérico. Os visitantes do local procuram o atendimento do médium Valentim Ribeiro de Souza. O fenômeno atrai pessoas de diferentes países e de vários Estados do Brasil, motivadas pela curiosidade ou pela crença na cura mediúnica, na expectativa de receberem atendimento espiritual de saúde, por períodos de duração variados em função do tratamento recomendado. O local abre um campo de possibilidades para o pesquisador do Turismo Religioso e Esotérico por se tratar de um centro de encontro de múltiplos discursos, de mito, de ritual e pela performance de Mestre Valentim. Por causa do mito, ou não, todos buscam entrar em contato com o médium curador famoso. Foi realizado um estudo sobre o local, o médium e os visitantes, para identificar o seu perfil, suas características como viajantes, romeiros ou peregrinos, conhecer as características das suas viagens e desvelar a experiência vivenciada, no que se refere à busca do milagre da cura. Palavras-chaves: aspectos humanos do turismo, hospitalidade, cultura, turismo religioso, turismo místico e esotérico, performance.

13/12/2013

Maria Inês Adjuto Ulhôa

Karina e Silva Dias

Entre carnes e livros:

A arte plural de um açougue e sua apropriação

Como patrimônio cultural

Este projeto de pesquisa pretende investigar se um fazer cultural de um açougueiro da cidade de Brasília pode ser considerado um patrimônio cultural por moradores da Cidade. Além de vender carnes, o açougueiro Luiz Amorim, há quase duas décadas, coloca estantes de livros em seu estabelecimento para quem quiser pegar exemplares emprestados sem qualquer burocracia, sem sequer se identificar e devolvê-los quando quiser; programa noites culturais, com debates, saraus e shows; instala livros e terminais de internet em paradas de ônibus, trazendo prazer e cultura na espera da ida ao trabalho ou da volta para casa. Hoje, os eventos do Açougue Cultural T-Bone, localizado na quadra comercial 312 da Asa Norte, estão inseridos no calendário cultural da Capital do País e desmontam o senso comum, revolucionando o sentido das ações patrimoniais existentes. Pode um fazer cultural de um açougueiro ser considerado um patrimônio cultural? Por meio de revisão bibliográfica, pretendemos lançar luz sobre como e em que medida práticas culturais tomadas isoladamente, como a transformação de um açougue em um lugar de cultura, podem ser consideradas uma ação patrimonial, o que vai nos permitir uma análise crítica do que comumente se entende por patrimônio cultural e avançar na conceituação de termos como identidade, cidadania, ideologia, cultura, patrimônio, hegemonia, práxis, alienação e turismo na busca de interpretar essa trajetória e de uma compreensão sobre a dimensão dessa prática cultural e se ela também é motivadora de turismo. Palavras-chave: patrimônio, cultura, turismo, hegemonia, práxis, ideologia.

13/06/2013

Mariana Inocêncio Oliveira Melo

Karina e Silva Dias

 

Parques urbanos, a natureza na cidade: práticas de lazer e turismo cidadão.

 

Trata-se esta dissertação de uma pesquisa de cunho qualitativo que busca investigar as formas de apropriação estabelecidas nos parques urbanos - Farroupilha e Bosque dos Buritis – pelas práticas de lazer e turismo cidadão. Os parques urbanos são espaços públicos bastante representativos na socialização da cidade, por oferecer diversas atividades – esportivas, culturais, artísticas, educativas e ambientais - capazes de estabelecer relações sociais entre os citadinos e representam espaços com presença da natureza que propiciam a contemplação/fruição no meio urbano. Para tanto, a análise da revisão literária em torno do tema se dá por meio das discussões teórico-conceituais sobre jardim, parque urbano, natureza, lazer, paisagem e turismo cidadão. Por conseguinte, a discussão da dissertação tem o objetivo de apresentar os parques urbanos como espaços que se transformam em lugares de natureza para aqueles que os frequentam, inscrevendo/intensificando na cidade a presença da natureza e a (re)significação dessa experiência, mediante as práticas de lazer e turismo cidadão, transformando a relação do habitante com a cidade e com a vida que a anima. Palavras-chave: Parque urbano. Natureza. Lazer. Paisagem. Turismo cidadão.

19/07/2013

Maysa Sena De Carvalho

Marutschka Martini Moesch

O impacto social do turismo rural no papel das

Mulheres campesinas

A dissertação investiga as relações entre as práticas do turismo rural e seus impactos sociais sobre os papéis das mulheres no espaço rural. Tais papéis foram apreendidos a partir da reflexão teórica e da pesquisa de campo realizada em três roteiros turísticos, nos municípios representativos do objeto de investigação, que têm como recorte espacial unidades de produção pertencentes aos programas do Ministério do Turismo, especificamente do projeto denominado Talentos do Brasil Rural: Turismo e Agricultura Familiar a Caminho dos Mesmos Destinos. As questões de pesquisa que nortearam este trabalho foram: desvelar como estão sendo impactados os papéis das mulheres rurais pela produção associada ao turismo nas famílias participantes dos roteiros; mostrar os impactos causados nas relações familiares a partir da mudança dos papéis das mulheres no espaço rural, no processo de hospitalidade turística; e identificar as alterações nas posições de poder e na autoestima das mulheres no espaço rural inseridas nos roteiros. A perspectiva teórico-conceitual utilizada permitiu abordar o tema relacionando com as categorias de agricultura familiar, turismo rural, produção associada ao turismo, poder, autoestima, papel social, impactos sociais e culturais e habitus. O objetivo deste trabalho foi analisar se os impactos do turismo sobre os papéis sociais das mulheres no espaço rural contribuem para o seu protagonismo. E destaca a importância da abordagem de gênero para a apreensão do cotidiano das mulheres entrevistadas.

Examinaram-se os discursos das mulheres representantes dos núcleos familiares mediante a aplicação de entrevistas e observações livres. A análise revelou que a inserção do trabalho feminino como protagonista do turismo rural na agricultura familiar colabora para a ampliação de sua renda no meio familiar e que esta é utilizada para seu uso pessoal e familiar. Esta nova configuração é facilitada pelo fato de as práticas do turismo no território rural assemelharem-se ou coincidirem com as tarefas domésticas – apontadas como inferiores, ou seja, desvalorizadas em relação a outras atividades exercidas predominantemente por homens. A cozinha, espaço privado, passa a ser espaço público, agora tão valorizado quanto a área de produção agrícola ou a criação de gado, pois são os quitutes, artesanalmente elaborados, os atrativos agora cobiçados pelos visitantes. São as mulheres, mães, avós, filhas, as protagonistas desta nova forma econômica e social de relação entre campo e cidade, rural e urbano, reinventando a hospitalidade e se reinventando socialmente. Palavras-chave: Impactos Sociais do Turismo; Turismo Rural; Agricultura Familiar; Projeto Talentos do Brasil Rural.

25/07/2013

Nadia Lúcia Almeida Nunes

Luiz Carlos Spiller Pena

Hospitalidade ao turista com restrição alimentar

Um dos desafios da oferta de alimentos e bebidas (A&B) para viajantes turistas é não somente garantir uma alimentação atrativa e gostosa, mas agregar qualidade de vida e saúde como benefícios, possibilitando aos turistas com restrição alimentar conforto e acesso seguro aos alimentos, característica do “bem receber” da hospitalidade. Contudo, a incerteza de ser atendido em suas necessidades alimentares pode gerar insegurança e desmotivar o turista, já que algumas pessoas, quando em viagem, tornam-se mais vulneráveis em relação à alimentação, uma vez que nem sempre o que está disponível permite opção de escolha dentro das suas necessidades e restrições, podendo trazer sérios danos à saúde em decorrência da mudança na rotina alimentar. A prática da hospitalidade em turismo pode agregar maior qualidade ao setor de alimentos e bebidas, contribuindo para a redução dos efeitos de uma inospitalidade quase sempre danosa para o público com necessidades especiais durante suas viagens. Este estudo objetiva contribuir para a compreensão acerca da relação existente entre a hospitalidade, turismo e oferta de A&B, adotando como ponto de reflexão a regulamentação (politicas públicas) existente e a necessidade de qualificação profissional para atendimento do público com as restrições alimentares. A construção deste estudo foi partir de referências coletadas em pesquisa bibliográfica sobre a complexidade que envolve os temas centrais. Em seguida, através de uma breve pesquisa documental, sobre a oferta de A&B, nos desjejuns dos meios de hospedagem de Brasília, para o publico com as restrições alimentares: Doença Celíaca e Intolerância a Lactose. Os resultados revelam que a maioria dos hotéis analisados oferece em seu desjejum algum alimento que possa ser consumido pelas pessoas com restrições alimentares abordadas nessa pesquisa. Contudo, a maioria dos hotéis desconhece essa informação e desta forma não pode assegurar que haja oferta, impossibilitando também a divulgação deste serviço diferenciado. Como resultado da reflexão, espera-se que os setores turismo/alimentação/hotelaria possam colocar em prática as políticas públicas existentes e propor a criação de novas, já que se percebe a necessidade de um olhar atento ao publico com restrição alimentar, onde nota-se falha na qualificação profissional destas áreas. Portanto, existe a necessidade da oferta de um serviço hospitaleiro que garanta segurança e conforto ao publico com restrição alimentar. Palavras-chave: Turismo, Alimentação, Doença Celíaca, Intolerância a Lactose, Hospitalidade.

07/07/2015

Priscilla Teixeira Da Silva

Marutschka Martini Moesch

Limites e possibilidades do programa de regionalização do

Turismo como indutor da cultura da cooperação: região dos

Negócios em Goiás

Tendo em vista que o planejamento participativo pode multiplicar o conhecimento técnico, científico e humano dos diversos atores participantes, esta dissertação tem como objetivo desvelar os limites e as possibilidades da metodologia de implementação do Programa de Regionalização do Turismo − Roteiros do Brasil (PRT), na substituição da cultura do isolamento pela cultura da cooperação. Para tanto, levou-se em conta que o PRT somente tem condições de promover a organização territorial dentro de um modelo endógeno, se houver uma resposta local de organização de instâncias de governança regional. Utilizou-se da metodologia de análise de conteúdo para análise de documentos (entre os anos de 2003 e 2010) e das entrevistas com atores-chave do processo de planejamento regionalizado nos municípios que compõem a Região dos Negócios em Goiás, apontando-se as fragilidades ocorridas entre a intencionalidade do PRT e a qualidade da participação efetiva de seus atores. Para tornar a análise mais objetiva e minimizar o caráter subjetivo, foram definidos indicadores de processo e resultado como balizadores que auxiliassem na separação dos diferentes temas abordados na investigação como: políticas públicas de turismo; desenvolvimento sustentável; e governo e sociedade. Dentro de cada tema, os documentos e as entrevistas foram analisados segundo a visão geral, a visão dos autores, o processo de elaboração (se tecnocrático ou participativo) e a sua preocupação com a comunidade. Como resultado, foi observado que as ações previstas no PRT convergem a participação concedida. Porque o planejamento participativo, embora fomentado, está longe de trazer o desenvolvimento sustentável das comunidades, devido principalmente ao discurso vertical, à distribuição de tarefas em caráter informativo, além do pouco espaço participativo, caracterizado pelo histórico do local de uma política ainda paternalista.

Assim, a metodologia de implementação do programa não foi suficiente para possibilitar a superação da cultura do isolamento pela cultura da cooperação. Palavras-chave: Políticas Públicas de Turismo. Programa de Regionalização do Turismo. Planejamento Participativo. Sustentabilidade Político-Institucional. Região dos Negócios em Goiás.

23/07/2013

Rayane Ruas Quadros

Donária Coelho Duarte

 

Festivais musicais: um estudo sob a ótica do turismo

Este trabalho trata-se de uma pesquisa de caráter qualitativo, baseada no método hipotético-dedutivo, que busca analisar os festivais de música enquanto encontros que permitem a ruptura do cotidiano proporcionando uma experiência do turismo. Primeiramente foi realizada uma pesquisa exploratória explicativa acerca do tema o que delimitou o seu objeto de estudo. O recorte do objeto de estudo foram os festivais de música desde o Festival de Monterey em 1967 até os dias atuais. Durante a pesquisa exploratória surgiu a hipótese a ser testada: “Se os festivais de música proporcionam uma experiência do turismo, então a motivação para a participação de festivais de música está relacionada com a experiência vivida nele”. Utilizando-se como coleta de dados a entrevista semi estruturada com participantes de pelo menos dois festivais de música. Os resultados desta pesquisa indicaram que os festivais de música contribuem para a diversidade de experiências proporcionadas pelo turismo, configurando-se como mais uma experiência possível no âmbito turismo, tendo em vista que a vivência proporcionada pelos festivais possuem alguns elementos que compõe a experiência do turismo (uma motivação que gera uma expectativa, um lugar que abriga a experiência e uma troca social). Palavras chave: Festivais de Música, Turismo, Encontro, Motivação, Experiência.

11/12/2013

Rogério Galeno do Nascimento Júnior

Neio Lúcio de Oliveira Campos

O rock brasiliense dos anos 80 na construção do imaginário urbano: perspectiva de fomentação do turismo cultural

O rock brasiliense dos anos 80 ficou conhecido como sendo o primeiro movimento musical expressivo da nova capital brasileira. Este destaque superou o âmbito da música e influenciou manifestações políticas, o vestuário da época, as maneiras de pensar de uma geração e, reflete, hoje, tal influência em obras cinematográficas e nas músicas que ainda são trilha sonora de muitas atividades que compreendem o estilo rock. Esse trabalho tem por objetivo, através da análise de textos, imagens e sons, investigar como o legado do rock brazilense pode ser reconhecido como potencialmente turístico. Para tanto, aliou-se teorias do turismo à cultura, noções de espaço e comunicação, no sentindo de se entender manifestações culturais em Brasília por um prisma turístico no desvelamento do imaginário criado pelo rock brasiliense dos anos 80. Palavras chave: Imaginário Urbano. Rock. Brasília. Anos 80. Turismo Cultural.

06/03/2015

Ronaldo Neves Ferreira

Everaldo Batista da Costa

A folia do divino Espírito Santo na perspectiva da cidadania e do turismo cultural, na APA de Cafuringa (DF)

A presente dissertação se propõe a realizar uma reflexão a partir do referencial teórico baseado nas categorias do turismo cultural, da educação patrimonial e da cidadania cultural, tendo como eixo uma análise do papel da Educação Patrimonial como instrumento de atuação, tanto no ambiente escolar quanto no espaço comunitário, visando à possibilidade de construção da cidadania e do turismo cultural. Tem-se como foco desta pesquisa, a festividade conhecida como Folia do Divino Espírito Santo, em especial aquela que ocorre na comunidade rural do Córrego do Ouro, localizada na Área de Proteção Ambiental de Cafuringa – referência para essa manifestação religiosa. Considerando o recorte desta pesquisa, pretende-se, em um primeiro momento, enfatizar a relação entre religiosidade e festividades religiosas. Para tanto, serão abordados a religiosidade e o simbólico, seguidos da história da religiosidade, da religiosidade na dimensão do ideológico e do simbólico, da relação entre religiosidade e identidade cultural e, por fim, sua relação com a territorialidade. Portanto, serão abordadas as festividades religiosas enquanto expressão popular e a religiosidade como espaço de mobilização. Assim,

a Educação Patrimonial no processo de construção da cidadania e do turismo cultural se constitui como foco deste trabalho. Palavras-chave: turismo cultural; APA de Cafuringa; Folia do Divino Espírito Santo; educação patrimonial; cidadania cultural.

09/07/2014

Simone Spindola Martins

Eloisa Pereira Barroso

A gestão das políticas públicas do patrimônio de 'pedra-e-cal' em Brasília e seu reflexo na construção da cidade como destino turístico

A presente dissertação teve como objetivo investigar como o Patrimônio Cultural do Distrito Federal é gerido, no sentido de promover sua preservação e valorização enquanto bem público e vetor de identidades culturais. Além da condição de Patrimônio Cultural da Humanidade, Brasília, representada pelo seu conjunto urbanístico, detém os títulos de Patrimônio Cultural do Brasil e Patrimônio Cultural do Distrito Federal. Além disso, na cidade encontramos inventariados 61 bens tombados, até dezembro de 2014. Por meio de análise documental, buscamos explorar como é a atuação do poder público na implementação de medidas para a valorização do patrimônio cultural edificado e sua contribuição para o incremento do turismo local. Para isso, foi feita uma pesquisa em documentos oficiais, dentre eles, a legislação que dispõe sobre o patrimônio cultural do Distrito Federal, relatórios do Comitê do Patrimônio Mundial (ligado à Unesco), como também os planos governamentais para a gestão da área tombada de Brasília, com destaque para o Plano de Preservação do Conjunto Urbanístico de Brasília, o PPCUB. Enquanto metodologia, foi utilizada a da pesquisa qualitativa visto que esta perspectiva é a que melhor nos oferece um caminho possível de realização da investigação de um fenômeno social, por esse motivo permeado de subjetividades, tal como o objeto deste trabalho; como também é a que melhor responde aos objetivos desta pesquisa. Palavras-chave: Patrimônio Cultural. PPCUB. Turismo. Identidades. Distrito Federal.

06/07/2015

Tamara Silva Nicolau

Maria Elenita Menezes Nascimento

Construção do conhecimento do turismo: a formação humana como fator essencial para a prática profissional do turismólogo

A pesquisa teve como objetivo traçar a relação entre o conhecimento acadêmico do bacharel em turismo e a prática do exercício da profissão. Buscou-se investigar as relações entre os conteúdos teóricos desenvolvidos nos cursos de bacharelado em Turismo e o exercício da profissão do turismólogo e se os cursos de bacharelado em turismo no Brasil estão em conformidade com as condições requeridas para o exercício da profissão. O parâmetro para direcionar a pesquisa utiliza-se do conceito de competências, visto sob a ótica da academia e dos turismólogos que tenham o turismo como atividade profissional. Trata-se de uma investigação de como o ensino superior do turismo vem se desenvolvendo e como a questão das competências é abordada na estrutura curricular. É apresentado um breve histórico global e nacional do ensino superior de turismo e também o caráter interdisciplinar do ensino do turismo. A metodologia utilizada é a pesquisa bibliográfica sobre o tema. Uma entrevista qualitativa foi realizada junto a trinta turismólogos e quinze coordenadores de cursos de bacharelado em turismo. Como resultado conclui-se que os cursos de bacharelado em turismo passam por etapas distintas de concepção desde seu surgimento e que se encontram em um período de valorização acadêmica e de reformulações buscando maior adaptação às realidades onde estão inseridos. Palavras-chave: Construção do Conhecimento; Interdisciplinaridade; Turismólogo; Competências; Ensino do Turismo.

 

14/07/2015

Tatiana Vieira Terra

Karina e Silva Dias

Brasília bucólica – a experiência do caminhar pelas entrequadras de Brasília (turismo, arte e cidade)

Bucólica Brasília – a experiência do caminhar pelas Entrequadras de Brasília é uma dissertação que investiga o caminhar na cidade de Brasília como possibilidade de transformar as relações habituais com os espaços da cidade que habitamos. Tem como ponto de partida as Escalas Bucólica e Residencial para análise das principais características do plano urbanístico de Lucio Costa, cuja vontade era criar o Plano Piloto de Brasília (Plano Piloto) como um espaço social destinado à população que nela habitaria, o conteúdo textual explora então a concepção da cidade de Brasília como forma de pensamento ético. Este pensamento inclui os habitantes e os convida a tomar posse da imensidão da cidade compartilhando seus espaços. Aqui tem-se Brasília para além do simples postal, porque é um espaço mutável, de descobertas contínuas e que pode ser percorrida por seus moradores ou aqueles que estão de passagem. A partir das bases teóricas sobre o Turismo e suas relações com a fenomenologia, a reflexão se desenvolve em diferentes noções sobre o espaço, a paisagem e a caminhada. A pesquisa considera o cidadão como turista em potencial, ou seja, um viajante em sua própria cidade. Bucólica Brasília – a experiência do caminhar pelas Entrequadras de Brasília se divide em quatro capítulos: Partida, Espaço Traçado, Espaço Percorrido e Em trânsito. Na partida são apresentadas a metodologia de pesquisa e as teorias sobre o Turismo; no segundo capítulo, Espaço Traçado, a pesquia analisa o desenho de Brasília e cidades de origem portuguesa no Brasil, a parir de suas escalas; o terceiro capítulo, Espaço Percorrido, explora as teorias da caminhada e desenvolve uma análise sobre o Projeto Brasília Bucólica, esta parte prática da teoria fenomenológica sobre o espaço aqui estudado. A última parte, Em trânsito, conclui a presente pesquisa. Palavras-chave: Turismo, Brasília, Escala Bucólica e Residencial, Caminhar.

29/01/2015

Thaisa Praxedes de Oliveira

Marutschka Martini Moesch

Os desafios dos ambientes de inovação para o desenvolvimento do turismo sustentável – estudo de caso do parque tecnológico Itaipu – Brasil

Essa dissertação tem como objetivo analisar o processo de construção de um ambiente de inovação, ciência, e tecnologia que tem o turismo como um de seus eixos de atuação. Para tal, propõe-se desvelar as práticas técnico-científicas que vem sendo criadas pelo Parque Tecnológico Itaipu Brasil (PTI) com vistas a desenvolver o turismo, de forma sustentável. O propósito do Parque desde a sua constituição inicial, em 2003, foi o desenvolvimento territorial, no qual o turismo sempre esteve presente como eixo temático das iniciativas e seus planos formais de organização. Com uma atuação crescente e explícita desde que assumiu a gestão e operação do Complexo Turístico da Itaipu Binacional – CTI, em 2007, o PTI se instituiu como materializador da missão ampliada de sua entidade mantenedora, de impulsionar o “desenvolvimento econômico, turístico e tecnológico, sustentável, no Brasil e no Paraguai”. Assim, trata-se de uma investigação qualitativa, de nível exploratório e interpretativo, buscando revelar e compreender o papel dos ambientes de inovação no desenvolvimento do Turismo, em especial a atuação do Parque Tecnológico Itaipu Brasil - PTI - BR, em Foz do Iguaçu, Paraná. Esta pesquisa apresenta três momentos: no primeiro buscou-se construir a teoria do objeto pela análise a respeito do tema, com a reconstrução dos conceitos de turismo, desenvolvimento territorial, ambientes de inovação e parques tecnológicos. No segundo, foi explanada a trajetória dos caminhos metodológicos que contemplou as análises a partir de evidências documentais e entrevistas com atores estratégicos inerentes ao processo e foi descrita a contextualização do objeto foco de estudo – a atuação do PTI. No terceiro foi analisada como estão sendo construídas as práticas em um ambiente de inovação, tendo o turismo como conteúdo bem como as possibilidades para sua transposição no desenvolvimento territorial sustentável a partir da atuação do Parque Tecnológico Itaipu Brasil. Palavras-chaves: Turismo, Desenvolvimento Territorial, Ambientes de inovação, Parque Tecnológico Itaipu Brasil.

07/03/2014

Thamyris Carvalho Andrade

Luiz Carlos Spiller Pena

A experiência das visitas guiadas e autoguiadas: um ensaio interpretativo pelo parque nacional da Chapada Dos Veadeiros - GO

Os estudos sobre a experiência do turista em áreas protegidas são importantes para que se possa conhecer o processo da viagem e suas peculiaridades, tanto do ponto de vista da motivação inicial quanto dos impactos (positivos e negativos) deixados na localidade. O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (PARNA-CV), criado em 1961, recebe em média 20 mil turistas por ano e, em janeiro de 2013, passou a oferecer a opção da visita sem a obrigatoriedade de contratação do guia de turismo, em atendimento à Instrução Normativa 8/2008, do Instituto Chico Mendes de Conservação e Pesquisa – ICMBIO. Tal ação suscitou manifestações de contrariedade principalmente pelo grupo de Guias locais, e tornou-se o tema/problema que motivou essa dissertação, que fez investigações com o objetivo de discutir até que ponto o turista necessita realmente de um mediador para suas visitas em áreas naturais protegidas e como visitas realizadas pelo guia de turismo ou as autoguiadas impactam diferentemente a viagem e a percepção da experiência pelo turista. O referencial teórico trata da visitação e do uso turístico de áreas protegidas, da relação do guiamento com a experiência turística da visitação. O método da fenomenologia trouxe a experiência do PARNA-CV para dialogar com a teoria e verificar, a partir da identificação de aspectos essenciais, os prós e contras das visitas guiadas e autoguiadas. Como tal realidade é produzida e pode ser interpretada, inclusive em suas dimensões conflituosas ou potenciais, é o resultado que se traz para a pesquisa. Palavras-chave: Turismo de Experiência; Parques Nacionais; Visita Guiada; Visita Autoguiada; Ecoturismo.

01/07/2014

Thiago Gabriel Barbosa Ribeiro Cecilio Daher

Mário Carlos Beni

Políticas públicas fomentando o enoturismo: quais são as possíveis melhorias advindas da lei dos vinhos coloniais (lei no.12.959/2014) sob perspectiva dos pequenos produtores da região do Vale Dos Vinhedos – RS

A produção de suco de uva e vinho colonial na região do Vale dos Vinhedos é uma realidade não só dos tempos atuais, mas desde os tempos remotos de seus colonizadores. O vinho colonial sempre esteve presente na mesa e na história daquela população, até que no ano de 2014 uma lei federal foi elaborada com o intuito de regulamentar a produção e comercialização desse produto tradicional. A lei n° 12.959/2014 ou lei dos vinhos coloniais, como é mais conhecida, foi aprovada com alguns vetos que culminaram na desaprovação por parte dos tradicionais vitivinicultores. O “enoturista-pesquisador” foi conhecer melhor quais são as opiniões e críticas dos produtores de vinhos coloniais sobre a lei que os “legalizam”; sobre o Vale dos Vinhedos e a relação que o enoturismo tem entre esses fatores. Houve a participação no “2° Festival de Vinho Colonial - Vale dos Vinhedos” e foram feitas visitas e entrevistas a todos os vitivinicultores que estavam expondo no festival. As questões de pesquisa foram facilmente respondidas, uma vez que nenhum produtor da região aderiu ou tem intenção de aderir à lei, preferindo permanecer na condição de produção e comercialização informal. No entanto, com as visitas e conversas com os produtores foi possível vivenciar e analisar de uma maneira um pouco mais profunda do que realmente é o Vale dos Vinhedos sob a ótica diversa e única de cada produtor visitado. Palavras-chave: enoturismo, vinhos coloniais, Vale dos Vinhedos, produção informal.

27/07/2015

 

 

 

Eventos e datas importantes

Veja mais »

Notícias e informações

Revista Cenário

Edital 1/2017

Chamada de Artigos

 

O Comitê Editorial da Revista Eletrônica de Turismo, do Programa de Pós-Graduação em Turismo da Universidade de Brasília (UNB) – Revista Cenário, torna público que receberá, no período de até 07 de agosto 2017, artigos científicos a serem publicados na edição referente ao Vol. 5, nº 8.

 

Serão aceitos trabalhos inéditos resultantes de pesquisa voltadas ao tema do turismo, hospitalidade e gastronomia, em língua portuguesa, espanhola, inglesa ou francesa.

 

A publicação dá oportunidade à revelação de pesquisas de alunos de pós-graduação e professores pesquisadores. Seguindo os critérios da Capes, a Revista Cenário entende a importância dos trabalhos orientados em mestrado, doutorado ou projetos científicos de grupos de pesquisa.

 

Serão aceitos trabalhos para as seguintes sessões: artigos e resenhas.

 

Os trabalhos encaminhados devem contemplar a área do Turismo, afeitos

à interdisciplinaridade e que representem avanço à área do conhecimento.

 

Salientamos que o prazo ora divulgado é permanente, mas os trabalhos submetidos até maio poderão ser publicados no primeiro semestre de 2017.

 

Maiores informações acesse: http://periodicos.unb.br/index.php/revistacenario/index

 

Dúvidas acesse: http://periodicos.unb.br/index.php/revistacenario/about/editorialTeam

 

Editora

Profª. Drª. Marutschka Martini Moesch

 


Veja mais »